TCC Salve Rainha

TCC Salve Rainha

(Parte 1 de 5)

Universidade Estadual do Piauí – UESPI Centro de Ciências Sociais Aplicadas – CCSA Bacharelado de Administração

Universidade Estadual do Piauí – UESPI Centro de Ciências Sociais Aplicadas – CCSA Bacharelado de Administração

Trabalho de Conclusão de Curso – TCC apresentado a banca examinadora do curso de Administração da Universidade Estadual do Piauí – UESPI, como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Administração.

Orientador: Prof. Dr. Ricardo Vernieri de Alencar

Ficha elaborada pelo Serviço de Catalogação da Universidade Estadual do Piauí – UESPI Francisco José Norberto (Bibliotecário) CRB 3/1112

S586e Silva, Kelly Maria Borges da
O marketing online: um estudo de caso sobre o coletivo Salve Rainha / Kelly

Maria Borges da Silva. - 2017. 54 f. il.

Monografia (graduação) – Universidade Estadual do Piauí -

UESPI, Curso de Bacharelado em Administração, 2017. “Orientador : Prof. Dr. Ricardo Vernieri de Alencar.”

1. Marketing Online. 2. Taxa de alcance. 3. Coletivo Salve Rainha 4. Instagram. 5.Industria Criativa. I. Título.

Trabalho de Conclusão de Curso – TCC julgado e aprovado para a obtenção do título de Bacharel em Administração da Universidade Estadual do Piauí – UESPI.

Aprovado em 16 de outubro de 2017.

Professor Orientador Prof. Dr. Ricardo Vernieri de Alencar

Professor Membro da Banca Prof. Dr. Matheus Emérito

Professor Membro da Banca Prof. Me. Allen da Costa Araújo

Concludente Kelly Maria Borges da Silva

Á mim, pelo meu esforço, suor e sangue derramado! Á mim, pelo meu esforço, suor e sangue derramado!

Agradeço inicialmente aos meus pais, por todo o esforço e garra desempenhada na formação de seus filhos, e por toda a vida de amor e carinho dedicados a nós. Ao meu orientador Ricardo Vernieri, por todo o conhecimento que agregou a mim e esclarecimento de dúvidas, pela orientação eficiente e concisa, pela paciência que deveras foi gigantesca, dedicação e atenção para comigo, por todas as dificuldades que tivemos e pela fonte de inspiração que me deu durante esse período todo. Ao meu grande amor Arnonn Sousa dos Santos, pela digitação, tabelas, entrega de relatórios, entrevista e pesquisas que fez por mim, também pelo o amor e paciência que teve comigo nesse período de ausência e estresse. Ao coletivo Salve Rainha pelos serviços prestados a população teresinense, carente de cultura e em especial a uma das fundadoras, pela disponibilidade em responder as indagações feitas na entrevista e pelas ideias inovadoras que o próprio coletivo idealiza. Aos meus irmãos Kelson e Thainara Borges, pelo apoio nessa longa caminhada de quatro anos. Ao meu queridíssimo amigo, Norberto, pela ajuda na ABNT e pela catalogação. A todos os amigos (as) que de alguma forma contribuíram para a realização desse momento tão esperado. Gostaria de agradecer também aos professores que me incentivaram e me deram apoio moral, entretanto gostaria de agradecer mais ainda á um professor em especifico que nunca deu aula, e que se acha no direito de reprovar os alunos, alunos estes que são detentores de conhecimentos mais aprofundados que ele mesmo, a você meu querido “ex-” professor meu muitíssimo obrigado por nada. Porque você foi e sempre será o exemplo de profissional que jamais serei. E acima de todos os citados e os nãos citados, agradeço a Deus pelo dom da vida. E pela força que me destes nessa jornada turbulenta e fatídica na UESPI.

“Se A é o sucesso, então A é igual a X mais Y mais Z. O trabalho é X; Y é o lazer; e Z é manter a boca fechada.”

Albert Einstein

O advento da internet proporcionou a contemporaneidade o acesso à informação de maneira direta, singular e instantânea, e nesse mundo online repleto de tecnologia aparece em quantidade cada vez maior, empreendimentos autossustentáveis que buscam através do potencial intelectual a geração de valor e riqueza para a sociedade, as chamadas indústrias Criativas. Pensando nisso este trabalho objetiva analisar o conteúdo das ações de marketing online do coletivo Salve Rainha, desenvolvidas na plataforma digital Instragram. Além de Mensurar a taxa de alcance deste aplicativo. Para que se haja um fundamentação teórica foram utilizados pensamentos de autores como Kotler (2007), Teixeira (2007), Tavares(1995), Porto(2012), Vaz(2010), Giddens(1991), Lemos(2015) dentre outros. Tratando-se de uma pesquisa de natureza qualitativa-quantitativa, a metodologia utilizada nesse processo caracterizou-se como um estudo de caso de caráter descritivo, através da coleta de dados oferecida pelo próprio coletivo e pela observação direta da plataforma Instagram. A problemática que norteou a pesquisa compreendeu-se no formato que o Coletivo Salve Rainha utiliza as ações de marketing online dentro do aplicativo Instagram, com o objetivo de chamar pessoas para consumir conteúdo. A partir dos resultados esperados desse estudo, foi possível concluir que o coletivo organiza-se dentro de sua rede digital de forma articulada e que sua taxa de engajamento aparece gradativamente crescente, e que esses resultados são obtidos através da atualização do marketing de conteúdo, de planejamento prévio por parte do Coletivo e de ferramentas que o próprio Instagram oferece.

Palavras Chaves: 1. Marketing Online. 2. Taxa de alcance. 3. Salve Rainha 4. Instagram. 5.Indústria Criativa.

The advent of the internet has provided contemporaneous access to information in a direct, singular and instantaneous way, and in this online world full of technology appears in increasing quantity, self-sustaining enterprises that seek through the intellectual potential the generation of value and wealth for society , the so-called Creative industries. Thinking about this, this work aims to analyze the content of the online marketing actions of the collective Salve Rainha, developed in the digital platform Instragram. In addition to Measure the reach rate of this application. In order to have a theoretical basis, we used the thoughts of authors such as Kotler (2007), Teixeira (2007), Tavares (1995), Porto (2012), Vaz (2010), Giddens (1991) and Lemos (2015). As a qualitative-quantitative research, the methodology used in this process was characterized as a case study of a descriptive character, through data collection offered by the collective itself and by direct observation of the Instagram platform. The problem that guided the research was understood in the format that Coletivo Salve Rainha uses the online marketing actions within the application Instagram, with the purpose of calling people to consume content. Based on the expected results of this study, it was possible to conclude that the collective organizes itself within its digital network in an articulated way and that its engagement rate appears gradually increasing, and that these results are obtained by updating content marketing, prior planning by the Collective and tools that Instagram itself offers.

Keywords: 1. Online Marketing. 2. Reach rate. 3. Salve Rainha. 4. Instagram. 5. Creative industry.

Figura 1: Fan Page do coletivo Salve Rainha3
Figura 2: Postagem inicial do Coletivo Salve Rainha35
Figura 3: Comentários de uma publicação36
Figura 4: Iemanjá, simbolismo do Salve Rainha37
Figura 5: Camisetas ofertadas pelo coletivo38
Figura 6: Ata do Coletivo Salve Rainha39
Figura 7: Editorial da temporada de outono de 201640
Figura 8: Participação do Coletivo em programa Local40
Figura 9: Chamada para o programa Clube do Vinil41
Figura 10: Sede do Café Sobrenatural42
Figura11: Chamada para a inauguração da praça cultural-Francisco das Chagas43
Figura 12: Movimento paralelo à temporada de carnaval de 201743
Figura 13: Story sobre a mostra de vídeo no Quiosque4
Figura 14: Convocatória 201745
1. INTRODUÇÃO12
2. INDUSTRIA CRIATIVA13
3. OS COLETIVOS16
4. MARKETING21
4.1 Marketing Digital2
5. METODOLOGIA29
5.1 Matriz Lógica31
6. ANÁLISES E DISCUSSÕES DOS RESULTADOS32
6.1 Ambientação do Estudo32
6.2 Pre-análise34
6.3 Exploração do Material35
6.3.1 Inauguração do coletivo na Capital (2014)35
6.3.2 Consolidação da marca Salve Rainha (2015)36
6.3.3 Ápice do coletivo (2016)38
6.3.4 Ano Atual (2017)42
7. INTERPRETAÇÃO DO MATERIAL48
8. CONSIDERAÇÕES50
9. REFERÊNCIAS52

SUMÁRIO 10. APÊNDICE ................................ ................................ ................................ ..................... 54

1. INTRODUÇÃO

O potencial intelectual é uma das principais preocupações dos negócios de hoje, mostrando assim um mundo coorporativo já existente, mas mudado. As novas tecnologias trazem aos dias de hoje o surgimento de uma nova indústria voltada para a criatividade e o talento individual. Essa indústria chama-se indústria criativa ou economia criativa. Pensando nas mudanças econômicas e indústria, ela nasce em um novo contexto, um ambiente que segue o mundo contemporâneo e da virada cultural. Entre tanto a indústria criativa assim como outros segmentos da economia, também visa buscar estabilidade financeira, através da aliança entre a arte, criação de trabalho e riqueza.

Seu surgimento se deu nos anos 1990 na Inglaterra, o berço da industrialização mundial. No Brasil esse novo jeito de ver os serviços e as pessoas foi trazido nos anos 2000, dentre os diversos campos da indústria criativa, um dos que se destaca são as atividades de cunho cultural, e é nesse campo que a pesquisa irá atuar. O objeto empírico da pesquisa, o coletivo Salve Rainha, iniciou suas atividades na cidade de Teresina no ano de 2014 e utiliza basicamente as mídias sociais para divulgar suas ações. Por meio de nossas observações acerca do objeto empírico, estabelecemos a problematização para a pesquisa na tentativa de compreender como se dão as ações de marketing on-line do coletivo Salve Rainha na mídia social Instagram no intuito de chamar pessoas a consumir produtos. A partir de então, no sentido de refinar a investigação, construiu-se um objetivo geral para que essa pesquisa pudesse analisar o conteúdo das ações de marketing online desenvolvidas na plataforma digital Instragram do coletivo Salve Rainha. Entende-se que onde os objetivos específicos delineiam-se em identificar as ações de marketing direto, verificar o conteúdo presente na rede social Instagram e Mensurar a taxa de alcance do aplicativo.

Nas formas como hipóteses de pesquisa têm-se as ações de marketing on-line desenvolvidas que aparecem de forma gradativamente eficientes. O conteúdo postado é previamente planejado pela organização do coletivo. O coletivo como empreendimento social tem um alto alcance na taxa de engajamento de seus usuários. Em uma cidade que as manifestações culturais aparecem em escala pequena, entretanto pesquisas mostram que o Piauí tem ganhado espaço nesse segmento, cresce inclusive mais que estados do sul do País.

Que se utiliza de dados coletados através de entrevista semiestruturada a direção do coletivo, e analise de conteúdo nas próprias mídias sociais. Também foram apresentadas tabelas que medem as taxas de engajamento do mesmo, separadamente entre os anos de 2014 á 2017.

2. INDÚSTRIA CRIATIVA

No ano de 2017 a Indústria criativa celebra oficialmente seus 27 anos de existência como ramo da economia de crescente potencial financeiro e de valor. Ela surge após estudos do departamento de cultura, mídia e Esportes do Reino Unido (DCMS) no fim dos anos de 1990, entre seus precursores estão o pesquisador John Howkins e o professor Richard Florida. A cadeia da Indústria Criativa [...] é composta pelos ciclos de criação, produção e distribuição de bens e serviços que usam criatividade e capital intelectual como insumo primário (Sistema FIRJAN, 2014; 7)

Para Hanson (2012) a indústria criativa é vista como a “indústria do século XXI”, segundo ele isso se deu devido a revolução do conhecimento, onde todos hoje em dia tem acesso à cultura e a educação, fazendo com o que o potencial intelectual das pessoas possam ser mais e melhor explorados. “Recentemente, entendeu-se que a criatividade é o alimento primordial da inovação e que a inovação é geradora da competitividade de empresas e nações.” (Hanson, 2012; p.223). Segundo Calvete (2016) a economia criativa e a economia cultural, são os segmentos que mais crescem no mundo inteiro, isso porque a forma como se apresentam na contemporaneidade tem lhe mantido sustentável o suficiente em tempos de crise, trazendo contribuições sociais, ecológicas, culturais e propriamente financeiras. Hanson (2012) ainda fala que a economia criativa tem suas origens na Escola de Frankfurt e nos posicionamentos de Adorno, a respeito da indústria cultural, mas o mesmo autor destaca que a indústria criativa não se sustenta inicialmente através apenas do conceito chave desse período, mas com a ruptura dessa indústria através do que Garnham (1987) definiu como visão idealista, as coisas mudaram, dando um novo formato as mídias que propagavam a cultura na época. A indústria da informação foi um fator favorável para a definição do que hoje chamamos de indústria criativa. Bendassolli (2009) cita em uma publicação sobre a indústria criativa que a indústria da informação serviu de transação entre o mundo industrializado e pós- industrializado, onde essa transação se deu através da troca de uma economia existencialmente materialista onde o que valia era o capital financeiro, o trabalho e sua massificação, para uma economia que valoriza o capital intelectual e o indivíduo com suas trocas de conhecimento e de valor.

Serafim (2013) cita em sua publicação sobre a indústria criativa um órgão criado para a gerência desse setor no sul do país. Tal entidade traz algumas definições sobre os setores criativos no Brasil. Segundo a Secretaria da Economia Criativa, baseada no decreto 7743, de

1° de junho de 2012 e vinculada ao ministério da cultura, os setores criativos constituem-se de atividades de cunho produtivo que tenham entre suas ações principais o uso da criatividade e do conhecimento, que caracterizam-se pela sua infinita e a alargada variedade e não pela escassez " Tomando-se como exemplo a pintura, seu valor está associado à expressão artística do pintor, indo além do preço dos materiais em si. A economia criativa, por conseguinte, é a economia do intangível, do simbólico." (SERAFIM, 2008; 3)

Segundo o mapeamento de 2014 da Federação das Indústrias do Estado do Rio de

Janeiro- sistema FIRJAN a Indústria Criativa - I.C no Brasil é formada essencialmente por três categorias: A- Indústria Criativa (Núcleo) composta por quatro áreas- Tecnologia, mídias, cultura e consumo. Onde as mesmas são subdivididas em treze segmentos, entre eles estão publicidade, arquitetura, expressão cultural entre outros. B- Atividades relacionadas, sendo estas são industriais ou de serviços. Comportando produtos tangíveis como: cosméticos, fabricação de roupas, equipamentos de informática e etc. Ou intangíveis como: serviços de engenharia, registro de marcas e patentes e etc. C- Apoio, que auxiliam a indústria Criativa de forma indireta como: comercio, serviços de tradução, agenciamento de direitos autorias e etc. Para Bendassolli (2009) a indústria criativa tem como força motriz a criatividade. “De fato, parece haver uma tendência a comoditizar a criatividade, na medida em que se enfatiza seu potencial de comercialização.”

Nas últimas décadas, as empresas não só passaram a reconhecer a importância da criatividade como insumos de produção, como também perceberam seu papel transformador no sistema produtivo. Além do capital, da matéria-prima e da mão de obra, as áreas estratégicas das empresas voltaram os olhos para o uso das ideias como recurso essencial para geração de valor. (Sistema FIRJAN, 2014; 10)

O sistema FIRJAN é pioneiro no estudo das indústrias no Brasil, de forma quantitativa, o mapeamento de 2014 traz dados estatísticos sobre esse segmento da indústria, por exemplo: o mercado formal de trabalho é composto por 892,5 mil profissionais criativos entre os anos de 2004 e 2013, o que segundo o ministério do trabalho e emprego houve o crescimento de 90% desse mercado, enquanto que o mercado tradicional brasileiro teve uma crescente de apenas 56% durante o mesmo período. Isso mostra em números o quanto a I.C tem crescido. E segundo o Boletim CEGOV (2016) o mercado formal e informal tiveram variações distintas no que diz respeito à quantidade de pessoas na indústria criativa.

As ocupações culturais e criativas se revestem de particularidades que as diferenciam sobremaneira das demais. No Brasil, os efeitos da crise econômica vistam a partir de 2015 impactam essas ocupações de forma peculiar e daí deriva a importância de um olhar diferenciado para estas. No que tange à variação do número absoluto de trabalhadores nas ocupações culturais, criativas e os totais da economia, de 2014 até o primeiro trimestre de 2016, as duas primeiras tiveram variações extremamente positivas, respectivamente 15,19% e 14,72%, ao passo que o mercado total de trabalho apresentou leve retração (0,65%). (BOLETIM CEGOV- ABR/2016)

(Parte 1 de 5)

Comentários