Fisiologia Cardiovascular (Eletrocardiograma)

Fisiologia Cardiovascular (Eletrocardiograma)

Profª Ana Paula Ferraz dila.ramos.ufrj@gmail.com

Laboratório de Eletrofisiologia Cardíaca Antônio Paes de Carvalho

Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho – IBCCF Bloco G- sala G2-45

Professor responsável: José Hamilton Matheus Nascimento

Professora : Edila de Andrade Ramos

Dee Unglaub Silverthorn, 5º ed

Velocidade de propagação do potencial de ação

Eletrocardiograma (ECG) é o registro extracelular da atividade elétrica do coração

Eletrocardiograma

Ele

Willem Einthoven (1903) Eletrocardiógrafos

Campo elétrico do dipolo Campo elétrico do dipolo

explorador Registro da diferença de voltagem

ECG e os eventos elétricos ECG e os eventos elétricos

• Onda P: despolarização atrial • Complexo QRS: despolarização ventricular

• Onda T: repolarização ventricular

Eletrocardiograma (ECG)

PR: NAV,His , purkinje

ST: Após despolarização não ha fluxos de corrente no meio extracelular de uma região para outra do

coração

Ondas e intervalos do ECG

Formação do eletrocardiograma Formação do eletrocardiograma

Potencial de ação x ECG Potencial de ação x ECG

Posição dos eletrodos nos registros de ECG Posição dos eletrodos nos registros de ECG

Derivações bipolares Derivações bipolares

Derivações de membros (plano frontal)

Bipolares

Unipolares

Derivações no plano horizontal Derivações no plano horizontal

Derivações precordiais

(plano horizontal)

V5 V6

Derivações no plano horizontal

• O impulso elétrico que nasce e circula no coração é

"fotografado" em vários ângulos. O movimento das cargas vai sendo captado ao mesmo tempo, em todas as 12 derivações.

• A imagem gerada não vai ser sempre a mesma, já que dependerá de como o eletrodo positivo de cada derivação "olha" o fenômeno.

Anormalidades da geração do impulso Anormalidades na condução do impulso

Anormalidades combinadas, na geração e condução do impulso

Mecanismos responsáveis pelas arritmias

Ritmo sinusal Ritmo sinusal

BAV de 1° grau Aumento da duração dos intervalos PR

BAV 1º Grau BAV 1º Grau

BAV de segundo grau (2:1) Eventuais ondas P que não são seguidas de QRS / T

BAV 2º grau BAV 2º grau

BAV 3º grau ou total BAV 3º grau ou total

BAV de terceiro grau (completo) Contrações atriais e ventriculares regulares, porém dissociadas

Taquicardia sinusal ( FC > 100 bpm) Taquicardia sinusal ( FC > 100 bpm)

Bradicardia sinusal ( FC < 6 bpm ) Bradicardia sinusal ( FC < 6 bpm )

Batimento cardíaco provocado pela ativação elétrica dos ventrículos antes do batimento cardíaco normal

Extra sístoles (batimentos ventriculares prematuros)

Taquicardia ventricular É caracterizada por 3 ou mais batimentos ventriculares prematuros consecutivos

Taquicardia ventricular

Fibrilação ventricular Série de contrações ventriculares descoordenadas, muito rápidas e ineficazes

Fibrilação ventricular

Comentários