Desafios da Educação no Brasil

Desafios da Educação no Brasil

Os desafios da educação no Brasil

Simon Schwartzman

DESAFIOS EDUCACIONAIS

  • MÁ QUALIDADE DAS ESCOLAS

      • APRENDE-SE POUCO
        • EFEITO PERVERSO SOBRE OS MAIS POBRES
        • COMO COMPENSAR AS DIFERENÇAS
  • REPETÊNCIA/RETENÇÃO DOS ALUNOS

  • EVASÃO/ABANDONO DA ESCOLA

  • DEFASAGEM IDADE/SÉRIE

  • RELEVÂNCIA DO CONHECIMENTO ENSINADO:

    • VIVER EM SOCIEDADE
    • INSERÇÃO NO MUNDO DO TRABALHO

Os indicadores de qualidade

  • CARACTERÍSTICAS;

  • EVOLUÇÃO/EXPANSÃO;

  • BASE PARA POLÍTICAS DE MELHORIA DA QUALIDADE DA EDEUCAÇÃO.

  • ENEN, SAEB, ENADE.

  • EXAMES INTERNACIONAIS PISA, OECD

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES

  • FORMAÇÃO INADEQUADA/INSUFICIENTE PARA ENFRENTAR OS PROBLEMAS ESCOLARES SOBRETUDO EM ESCOLAS PÚBLICAS FREQUENTADAS PELOS ALUNOS MAIS CARENTES;

  • PRODUÇÃO DE UMA SOCIEDADE ELITISTA, EXCLUDENTE.

A UNIVERSIDADE E A EDUCAÇÃO BÁSICA

  • EVASÃO E RETENÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA.

  • ENSINO SUPERIOR ELITISTA E ESTRATIFICADO.

  • POUCOS CENTROS DE EXCELÊNCIA COM SUFICIENTE FINANCIAMENTO.

  • SUCATEAMENTO DA ESTRUTURA E DA QUALIDADE DO ENSINO.

  • DILEMAS NA EXPANSÃO DA COBERTURA DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO.

A PÓS-GRADUAÇÃO E A PESQUISA

“O Brasil desenvolveu nos últimos 40 anos um sistema de pós-graduação e de pesquisa que é considerado, de maneira geral, como de muito boa qualidade, confirmando a tradição elitista do país, de investir fortemente nas áreas de ponta, mas não conseguir atender de forma satisfatória e ampla sua população” (SCHWARTZMAN, 2008,p 7).

ORIGENS DA ESCOLA NO BRASIL

  • A estruturação do sistema público de ensino primário no Brasil deve ser compreendida como um movimento de múltiplas trajetórias onde interagem vários elementos:

    • os programas,
    • as formas de organização e usos do espaço-tempo escolar,
    • desenvolvimento dos métodos e dos materiais pedagógicos,
    • e a construção das edificações escolares.

O PERÍODO COLONIAL

  • As Escolas de Primeiras Letras

    • Ensino jesuítico Ratio Studiorum Societatis Iesu
    • escrita, leitura, aritmética e os valores do cristianismo católico;
    • textos clássicos em grego e latim;
    • filosofia escolástica;
    • conduzir o homem a Deus e a seus ensinamentos;
    • conduzir à subserviência e à fé dogmática;
    • Preterido o espírito perquiridor e investigativo.

A REFORMA POMBALINA

  • Em meados do século XVIII, sob o comando do marquês de pombal, os jesuítas foram expulsos de Portugal e Brasil, num esforço de colocar a metrópole na linha do iluminismo europeu.

  • Segundo josé luiz de paiva bello (2003)., Cerca de quinhentos padres jesuítas deixaram o país em 1759, fechando 17 escolas, 36 missões e vários seminários para jovens e escolas elementares.

  • Aulas régias ou avulsas.

No século XIX, com a transferência da corte Portuguesa para o Rio de Janeiro são criados:

No século XIX, com a transferência da corte Portuguesa para o Rio de Janeiro são criados:

  • A Academia militar no Rio de Janeiro,

  • duas escolas de direito em São Paulo e Recife,

  • duas escolas de medicina no Rio de Janeiro e na Bahia.

  • Em 1838, foi fundada no Rio de Janeiro a primeira escola pública secundária, o Colégio Pedro II.

  • O ensino primário, quando existia, ficava a cargo dos governos das províncias, de tutores particulares e padres das paróquias, exceto na capital do país, onde começaram a tomar forma os rudimentos de um sistema de ensino público.

O Colégio Caraça em Minas Gerais

Escola mantida pelos padres lazaristas, que durante muitos anos foi uma das poucas alternativas para os jovens que desejavam estudar mas não podiam ir para o Rio de Janeiro ou para o exterior

OS GRUPOS ESCOLARES

AS ESCOLAS DE IMPROVISO;

AS ESCOLAS MONUMENTO;

AS ESCOLAS FUNCIONAIS.

ENSINO PRIMÁRIO UM ENCARGO ADMINISTRATIVO,FINANCEIRO, POLÍTICO E PEDAGÓGICO DO GOVERNO DE CADA PROVÍNCIA.

  • ENSINO PRIMÁRIO UM ENCARGO ADMINISTRATIVO,FINANCEIRO, POLÍTICO E PEDAGÓGICO DO GOVERNO DE CADA PROVÍNCIA.

AUSÊNCIA DE UMA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CENTRAL.

  • Durante toda a Primeira República (1889-1930), a educação primária e média continuaram sendo responsabilidade dos governos local e estadual, e somente cerca de 25% da população, no máximo, era alfabetizada.

MANIFESTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA (1932)

  • Os “pioneiros da educação” tratavam tanto da maneira como deveria ser o ensino, através da participação ativa do aluno no processo de aprendizagem, quanto da maneira de organizar a educação, através da abertura de universidades públicas e do ensino básico gratuito, universal e obrigatório, e da formação de professores em instituições de nível universitário (Simon Schwartzman, 2008, p. 12).

Pensadores da “ESCOLA NOVA”

  • Wilhelm Dilthey,

  • Édouard Claparède,

  • Adolphe Ferrière,

  • William Kilpatrick,

  • Jonh Dewey,

  • Decroly,

  • Maria Montessori,

  • Celestin Freinet dentre outros educadores

DESENVOLVIMENTO DA PROFISSÃO MAGISTÉRIO

  • Formação dos sistemas nacionais de ensino:

  • ATORES SOCIAIS (ESTADO, IGREJA E A PROFISSÃO MAGISTÉRIO).

  • INDUSTRIALIZAÇÃO E CRESCIMENTO DO COMÉRCIO.

  • ALFABETIZAÇÃO de crianças decorrente do progresso econômico.

HERANÇA DO REGIME VARGAS

  • CONTROLE E CONFORMAÇÃO DO ENSINO BÁSICO, BUROCRACIA NO ENSINO SUPERIOR.

  • CRIAÇÃO DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO.

  • CRIAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS PEDAGÓGICOS – INEP.

  • INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DO RIO DE JANEIRO

  • DOUTRINA DE IDEAIS PATRIÓTICOS – NACIONALISTAS,

  • FRECHAMENTO DE ESCOLAS DE IMIGRANTES.

  • CONTEXTO DO MANIFESTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA.

REFORMA EDUCACIONAL NOS ANOS 60

  • Reforma universitária 1960 (sistema de créditos, departamentos acadêmicos, e programas de pós-graduação).

  • Ensino de 2° Grau,

  • Ensino de 1° Grau Lei 5692, (08 anos obrigatórios)

  • Artigo 1°. Lei 5692:

Proporcionar ao educando a formação necessária ao desenvolvimento de suas potencialidades como elemento de auto-realização, qualificação para o trabalho e exercício consciente da cidadania”. Lei 5692, Artigo 1°.

A profissão docente e a profissão acadêmica

FORMAÇÃO DA CLASSE DOCENTE NO BRASIL

  • ECONOMIA ESCRAVISTA.

  • AGRÁRIA-EXPORTADORA;

  • AUSÊNCIA DE UMA REVOLUÇÃO LIBERAL INTERNA;

  • PAÍS COM MUITOS ILETRADOS E SEMI-LETRADOS.

Formação do profissional docente

  • Formação predominante em nível médio em escolas normais;

  • Lei 9394/1996 obrigatoriedade de formação em nível superior:

  • Demanda por formação em graduação.

  • Expansão da educação básica, ensino fundamental e médio e educação infantil.

A FORMAÇÃO DA PROFISSÃO ACADÊMICA

POLÍTICAS RECENTES

GOVERNO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO – 1995/2002

  • REABILITAÇÃO DO INEP – PESQUISA E AVALIAÇÃO;

  • CRIAÇÃO DO FUNDEF – FUNDO DE MANUTENÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZAÇÃO DO MAGISTÉRIO

    • PISO PARA GASTOS
    • REDUZIR DIFERENÇAS REGIONAIS
    • COMPENSASÕES: GASTO PÚBLICO/ALUNO
  • SISTEMA DE AVALIAÇÃO: SAEB, ENEM, EXAME NACIONAL DE CURSOS DE GRADUAÇÃO (PROVÃO).

Comentários