UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO – UEMA

PROGRAMA DARCY RIBEIRO

CENTRO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS – CECEN

DISCIPLINA: METODOLOGIA CIENTÍFICA

PROFESSORA: DIANA OLIVEIRA

ALUNO: JOHMESON ALEXANDRE LIMA NUNES

RESUMO DO LIVRO “UMA NOVA HISTÓRIA DO TEMPO”

ICATU – MA

2010

HAWKING, Stephen; MLODINOW, Leonard. Uma nova história do tempo; Tradução de Vera de Paula Assis; Edição 1; Editora Ediouro.

RESUMO

Uma nova história do tempo. Descreve o progresso recente feito na busca por uma teoria unificada completa de todas as forças da física. Comenta que vivemos num estranho e maravilhoso universo. Relata que Nicolau Copérnico teve a idéia de que o Sol era o centro do Sistema Solar e que, ao mesmo tempo, Kleper aperfeiçoou a teoria de Copérnico, sugerindo que os planetas moviam-se não em circulos, mas em elipses. Lembra que Newton apresentou uma lei que chamou de gravidade. Enfatiza que o objetivo final na ciência é oferecer uma única teoria que descubra o universo inteiro e que hoje, os cientistas descrevem o universo em termos de duas teorias parciais básicas – a teoria da relatividade e a mecânica quântica. Comenta que Albert Einstein declarava que as leis da ciência deveria ser as mesmas para todos os observadores que estivessem se movimentando e que, em 1915, propôs uma teoria mais revolucionária ainda, que até hoje chamamos de teoria da relatividade. Lembra também que a descoberta de que o universo está se expandindo foi uma das grandes revoluções intelectuais do século XX. Relata que Alan Guth sugeriu que o universo primitivo teria passado por um período de expansão denominada inflacionária e que John Michell publicou em 1783 um artigo no qual salientava que uma estrela que fosse suficientemente maciça e compacta teria um capo gravitacional tão forte que a luz não seria capaz de escapar. Expõe que Laplace acreditava que deveria haver um conjunto de leis científicas que nos permitisse predizer tudo o que aconteceria no universo. Lembra que Max Planck sugeriu, em 1900, que a luz, os raios X e outras ondas eletromagnéticas poderiam ser emitidas somente em pacotes discretos, que ele chamou de quanta. Relata que em 1926, Warner Heisenberg formulou o princípio da incerteza e que esta abordagem levou Heisenberg, Erwin Sehrödinger e Paul Dirac nos anos 1920 a reformular a mecânica de Newton e a criar uma nova teoria denominada mecânica quântica. Afirma que Einstein discordava disto com grande convicção. Comenta que a teoria quântica tem sido uma teoria tremendamente bem sucedida e fundamenta praticamente toda a ciência e a tecnologia moderna. Relata que o teorema da imcompletude de Gödel pode representar uma limitação fundamental de nossa capacidade de compreender e prever o universo. Comenta que em 1915, Einstein e Nathan Kosen escreveram um artigo no qual mostraram que a relatividade geral permitia aquilo que eles chamaram de pontes, mas que são atualmente chamados buracos de minhoca. Enfatiza que a radiação dos buracos negros mostra que a teoria quântica permite viagens para trás no tempo. Ressalta que em última instância esperaríamos encontrar uma teoria conhecida como a unificação da física e que, existem motivos para acreditarmos com otimismo cauteloso que podemos estar agora perto do fim da busca pelas leis definitivas da natureza. Expõe que a principal dificuldade em descobrir uma teoria que unifique com as outras forças, é que a teoria da relatividade geral, é a única que não leva em consideração o princípio da incerteza. Afirma de que a ideia de que Deus poderia mudar de ideia é um exemplo de falácia, apontada por santo Agostinho, de imaginar Deus como um ser que existe no tempo. Lembra que uma teoria unificada completa, coerente é somente o primeiro passo e que a meta é a compreensão total dos eventos que nos cercam e de nossa própria existência. Relata ainda que se realmente descobrirmos uma teoria completa, então, todos nós seremos capazes de participar da discussão de porque é que nós e o universo existimos e, se encontrarmos uma resposta para essa pergunta, seria o triunfo último da razão humana – porque então, conheceríamos a mente de Deus.

PLAVRAS CHAVE: Universo. Mecânica Quântica. Teoria da relatividade. Teoria unificada.

Comentários