(Parte 1 de 2)

Rev. CEFAC. 2010 Mar-Abr; 12(2):331-336

Phonological deviations in elementary school Djakelânia Alves Nunes (1), Luzia Miscow da Cruz Payão (2), Ranilde Cristiane Cavalcante Costa (3)

Tema: desvio fonológico na Educação Infantil. Procedimentos: analisar a intervenção fonoaudiológica baseada na hierarquia dos traços distintivos e na consciência fonológica em uma população de crianças com desvios fonológicos, estudantes da Educação Infantil. Resultados: com a análise dos dados, verifi cou-se maior predominância de processos de simplifi cação de líquidas, simplifi cação de encontros consonantais e simplifi cação da consoante fi nal. Ocorreu a intervenção fonoaudiológica, na qual apenas uma criança não conseguiu superar as difi culdades encontradas anteriormente no processo de organização fonológica, apresentando ainda ausência de traço distintivo no sistema. Conclusão: a intervenção fonoaudiológica fundamentada na hierarquia dos traços distintivos e na consciência fonológica ampliou o inventário fonético e o sistema fonológico dessas crianças, melhorando o contraste entre os fonemas e o desempenho das habilidades de manipulação dos sons da fala, consequentemente, proporcionando a inteligibilidade de fala.

DESCRITORES: Desenvolvimento da Linguagem; Fonética; Fonoterapia Aluna do Curso de Graduação em Fonoaudiologia da Uni- versidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas. Fonoaudióloga; Professora Assistente da Faculdade de

Fonoaudiologia de Alagoas da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, UNCISAL, Maceió, AL,

Brasil; Mestre em Linguística. Fonoaudióloga; Professora Auxiliar da Faculdade de Fonoaudiologia de Alagoas da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, UNCISAL, Maceió, AL, Brasil; Especialista em Docência no Ensino Superior.

Confl ito de interesses: inexistente manifestada por habilidades de manipulação consciente dos sons das palavras 1.

cidos 5,6

Nos desvios fonológicos as crianças apresentam difi culdades específi cas na organização fonológica necessária para o aprendizado da linguagem oral. A maioria delas apresenta ininteligibilidade de fala, tornando a mensagem ambígua para seu interlocutor. Essas crianças se desenvolvem de forma semelhante às outras, portanto, sem difi culdades de aprendizagem geral, na ausência de défi cits intelectual e auditivo ou fatores etiológicos conhe-

A terapia baseia-se na investigação dos processos fonológicos presentes, tendo como objetivo facilitar o desenvolvimento de um sistema fonológico inteligível, por meio da supressão de processos fonológicos durante o tratamento, assemelhandose ao sistema alvo do adulto 5,6.

A presente pesquisa tem o objetivo de analisar a intervenção fonoaudiológica baseada na hierarquia dos traços distintivos e na consciência fonológica em um grupo de quatro crianças com desvio fonológico, na faixa etária entre 04 e 07 anos, estudantes da Educação Infantil, visto que este estudo possibilita o início de uma pesquisa fonoaudiológica inédita na área dos distúrbios da comunicação humana da população infantil alagoana, fornecendo informações locais quanto às características linguísticas n INTRODUÇÃO

Durante a aquisição fonológica, a criança adquire sons simples, e no decorrer dos anos há uma expansão desse sistema fonológico, adquirindo os sons mais complexos. Essa aquisição do sistema de sons obedece à hierarquia dos traços distintivos e as leis implicacionais entre eles 1-3.

De acordo com a hierarquia preconizada na geometria de traços, esses traços distintivos delimitam as características acústicas e articulatórias que constituem os fonemas, como, por exemplo, a sonoridade, o ponto e modo de articulação sobrepostos, os quais determinam o som que é percebido quando se fala 2,4.

À medida que a criança desenvolve o reconhecimento, a discriminação e a memória auditiva dos sons da fala origina-se a consciência fonológica,

Rev. CEFAC. 2010 Mar-Abr; 12(2):331-336

e reabilitação dos distúrbios da fala e linguagem

e as potencialidades de expressão verbal. Além disso, viabiliza a avaliação e tratamento fonoaudiológico, área da saúde específi ca para a prevenção nAPRESENTAÇÃO DO CASO

A pesquisa foi realizada na Unidade de Tratamento em Fonoaudiologia Prof. Jurandir Bóia Rocha (UTFONO), vinculado à Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas – UNCISAL, Faculdade de Fonoaudiologia de Alagoas.

Foram avaliadas quatro crianças na faixa etária de 04 a 07 anos de idade, estudantes da Educação Infantil da rede pública de ensino, no período de agosto de 2006 a agosto de 2007. Os critérios utilizados na escolha desses sujeitos foram crianças apresentando alterações na fala, sem nenhum fator orgânico e etiológico que comprometesse a linguagem.

Cada criança foi avaliada individualmente pelas fonoaudiólogas participantes desta pesquisa, sendo que a avaliação consistiu de etapas.

Na primeira etapa foi realizada anamnese com os genitores, para se obter o perfi l do desenvolvimento cognitivo, motor e linguístico de cada criança.

Na segunda etapa, houve a avaliação das crianças, sendo realizada coleta de dados de fala espontânea, a partir de atividades lúdicas, como jogos, brinquedos, para verifi car a presença de alterações nos fonemas, pois a fala espontânea proporciona uma amostra típica da criança e possibilita a observação dos processos fonológicos. Porém, uma desvantagem encontrada nesse método é fazer a criança com alterações de fala evitar palavras que contenham os sons mais difíceis para ela, difi cultando o início da conversação.

O método de coleta foi realizado por meio de gravação em áudio, utilizando um aparelho MD (Mini-disc Recorder MZ-R700-Sony), microfone Sony unidirecional F-V120 e MP3 Sony 512 MB.

Na etapa seguinte foram avaliadas minuciosamente as crianças que apresentaram alterações de fala. Aplicaram-se o Teste de Linguagem Infantil, constando de prova de imitação e nomeação, as quais possibilitam uma amostra signifi cativa da fala da criança com todos os sons da língua em diferentes situações silábicas 7.

Os sujeitos da pesquisa também foram submetidos a processo avaliativo específi co do sistema estomatognático, visto que os órgãos fonoarticulatórios devem estar em equilíbrio para desempenhar suas funções, que são essenciais para a aquisição e desenvolvimento de linguagem. A via aérea superior foi avaliada por um médico otorrinolaringologista. A avaliação audiológica constou de audiometria tonal, audiometria vocal, imitanciometria e processamento auditivo. Essas avaliações foram efetuadas a fi m de detectar alteração auditiva que pudesse comprometer a percepção auditiva entre os fonemas e assim, a consciência fonológica. Todos os procedimentos foram realizados no serviço de atendimento fonoaudiológico da UNCISAL.

Uma vez que os dados foram coletados e registrados, foram realizadas a transcrição fonética e a análise dos processos fonológicos encontrados, possibilitando às terapeutas identifi carem a particularidade de cada criança sobre o seu sistema fonológico.

Em seguida, foi executado o planejamento terapêutico, no qual as palavras alvo selecionadas basearam-se nos padrões fonológicos de cada criança. Os sons alvo faziam parte do vocabulário das crianças, facilitando o desempenho nas atividades propostas durante a terapia.

A terapia fonoaudiológica era realizada semanalmente, com duração de 30 minutos cada. Houve a participação dos pais no processo terapêutico, sendo orientados a trabalhar com as crianças em casa, usando as palavras-alvo de forma lúdica, por meio da utilização de jogos que foram confeccionados pela terapeuta e entregues à família, incentivando a generalização dos fonemas adquiridos para a linguagem espontânea.

Esse trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas – UNCISAL, protocolo n° 514, conforme a Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde. Todos os responsáveis pelos sujeitos consentiram na realização desta pesquisa e na divulgação de seus resultados por meio da assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.

n RESULTADOS

Os sujeitos da presente pesquisa apresentaram predominância dos seguintes processos fonológicos: simplifi cação de líquidas, com ausência do traço [+ contínuo], simplifi cação de encontros consonantais, com omissão do fonema-alvo / /, a vibrante simples, em estrutura silábica complexa e na simplifi cação da consoante fi nal.

Ocorreu a intervenção fonoaudiológica baseada na hierarquia dos traços distintivos e na ênfase de atividades que promovessem a consciência fonológica. Inicialmente foi trabalhado o fonema alvo visando à estimulação do traço distintivo comprometido e ao desenvolvimento da consciência fonológica. A terapia enfatizava a adequação dos padrões fonológicos na fala da criança, fornecendo pistas visuais, auditivas, táteis e cinestésicas, tendo como principal objetivo a generalização dos fonemas.

Desvios fonológicos na Educação Infantil 3

Rev. CEFAC. 2010 Mar-Abr; 12(2):331-336

No decorrer das sessões esses sujeitos expandiram seu inventário fonético e sistema fonológico, ampliando a contrastividade entre os fonemas e/ou melhora de desempenho das habilidades de manipulação dos sons da fala, consequentemente, proporcionando a inteligibilidade de fala.

tivo [+contínuo] na classe das líquidas

Houve uma evolução signifi cativa nos sujeitos acompanhados, sendo observado que apenas um não conseguiu superar as difi culdades encontradas anteriormente no processo de organização fonológica, apresentando ainda ausência de traço distin-

A Tabela 1 apresenta os processos fonológicos encontrados predominantes nos sujeitos desta pesquisa.

Na Tabela 2 encontram-se amostras que relacionam o processo fonológico com o traço ausente correspondente, o qual acarreta a simplifi cação da fala.

Quanto à avaliação otorrinolaringológica dos quatros sujeitos participantes, apenas um apresentou otite fl utuante. Esta mesma criança, na avaliação audiológica, apresentou perda auditiva condutiva de grau leve; quanto às demais não apresentaram nenhuma alteração auditiva. Na avaliação do sistema miofuncional oral nenhuma das crianças apresentou comprometimento orgânico (Tabela 3).

Tabela 2 – Correlações entre processos fonológicos e os traços distintivos ausentes

Traços

Simplifi cação de Líquidas

Simplifi cação de Eliminação da Coda Final

Distintivos Encontro Consonantal

Tabela 1 – Processos fonológicos predominantes nos sujeitos

Sujeitos Simplifi cação de Líquidas

Simplifi cação de Eliminação da Coda Final

Encontro Consonantal

nDISCUSSÃO

Rev. CEFAC. 2010 Mar-Abr; 12(2):331-336

A partir da análise dos resultados, tornou-se possível o estabelecimento de uma série de informações a respeito da abordagem terapêutica em crianças com desvios fonológicos.

Todas as crianças deste estudo mostraram desempenho satisfatório nas atividades fundamentadas no desenvolvimento da consciência fonológica, que enfatizavam a percepção do traço distintivo ausente no sistema de cada criança. Esses resultados podem ser explicados pela sistemática de apresentação das palavras-alvo utilizadas nas terapias. Nessas palavras havia os fonemas que estavam comprometidos no sistema fonológico das crianças 4,8,9.

As atividades de consciência fonológica solicitavam às crianças tarefas envolvendo semelhanças, diferenças e ordem dos sons nas palavras, proporcionando uma compreensão maior do seu sistema fonológico e desenvolvimento das habilidades metafonológicas, importantes para o processo de alfabetização 10-14.

(Parte 1 de 2)

Comentários