Caracterização da comunicação oral de empresários extrovertidos e introvertidos

Caracterização da comunicação oral de empresários extrovertidos e introvertidos

(Parte 1 de 5)

Alessandra Perencin de Arruda Ribeiro

Monografia apresentada ao Centro de Estudos da Voz – CEV, como pré-requisito para a conclusão do curso de Especialização em Voz

São Paulo 2007

Alessandra Perencin de Arruda Ribeiro

Monografia apresentada ao Centro de Estudos da Voz – CEV, como pré-requisito para a conclusão do curso de Especialização em Voz

Orientadora: Profa Dra. Mara Behlau

Ribeiro, Alessandra Perencin de Arruda

Caracterização da comunicação oral de empresários extrovertidos e introvertidos/ Alessandra Perencin de Arruda Ribeiro. --São Paulo, 2006. viii, 44f.

Monografia - Especialização em Voz – Centro de Estudos da Voz.

Título em inglês: Oral communication characterization of extraverts and introverts entrepreneurs.

1. voz. 2. comunicação.

Coordenadora do Curso de Pós-Graduação: Profa. Dra. Mara Behlau Doutora em Distúrbios da Comunicação Humana pela Escola Paulista de Medicina – UNIFESP – EPM.

Alessandra Perencin de Arruda Ribeiro

Presidente da banca: Profª Dra. Mara Suzana Behlau

Profª. Gisele Gasparini Profª. Déborah Feijó

Dedicatória

possibilidadesPelo apoio e incentivo, por sempre acreditar em mim e

Ao Renato, amor da minha vida, que me mostrou um caminho cheio de novas por viabilizar, mais uma vez, a concretização de um sonho.

Aos meus queridos pais, pelo amor incondicional e por não medirem esforços para meu crescimento pessoal e profissional.

Agradecimentos

À querida orientadora Profa. Mara Behlau pelos seus ensinamentos, por me apoiar e me incentivar a seguir o ramo da fonoaudiologia empresarial e, principalmente, por ter sido minha inspiração como profissional desde os tempos da faculdade.

À Gisele Gasparini pela disponibilidade e prontidão em me ajudar em todas as etapas deste trabalho e por ter me dado a honra de ser a banca examinadora da monografia.

À Déborah Feijó, banca examinadora, pela atenção na leitura do trabalho.

Às fonoaudiólogas karine Rech, Vanessa Pedrosa, Tatiana Villanova e Patrícia Bortolocci pelo auxílio e disponibilidade na análise das amostras de fala.

Aos empresários, participantes voluntários desta pesquisa, que dispensaram parte de seu tempo contribuindo para o crescimento do conhecimento fonoaudiológico.

Ao Luiz Fernando Garcia que fez parte da idéia inicial desta pesquisa e por ter viabilizado este trabalho fornecendo o resultado do instrumento MBTI® dos empresários.

À Stella Angerami e Fernanda Angerami por compartilharem comigo suas experiências e seus conhecimentos quanto à teoria do MBTI®, pela confiança em mim e no meu trabalho, e por me oferecerem a oportunidade de crescer pessoal e profissionalmente.

Dedicatóriav
Agradecimentosvi
1 INTRODUÇÃO1
1.1 Objetivos4
2 REVISÃO DE LITERATURA5
3 MÉTODOS10
4 RESULTADOS16
5 DISCUSSÃO25
6 CONCLUSÃO35
7 ANEXOS36
8 REFERÊNCIAS39

Sumário

Abstract Bibliografia Consultada

Resumo

Objetivo: Caracterizar a comunicação de empresários avaliados como extrovertidos e introvertidos de acordo com a escala extroversão-introversão do instrumento MBTI®. Método: Participaram deste estudo 32 empresários, do sexo masculino, submetidos ao questionário Myers-Briggs Type Indicator (MBTI®). Para a coleta de dados os participantes responderam a uma pergunta quanto a sua auto-imagem comunicativa e posteriormente reproduziram oralmente um texto lido de conteúdo familiar gravado para análise. Os dados coletados com a reprodução oral do texto lido foram avaliados por meio de análise perceptivo-auditiva da fala considerando-se os seguintes parâmetros: tipo de voz, articulação, ressonância, loudness, pitch, projeção vocal, velocidade, variação melódica, fluência, pausas silenciosas, pausas preenchidas, barreiras verbais, coordenação pneumofonoarticulatória, impressão do ouvinte quanto extroversão e introversão e nota global da apresentação; e pela análise temporal da fala para determinar o número de palavras faladas por segundo de cada participante. Resultados: A comunicação dos empresários extrovertidos caracterizou-se por: projeção vocal alterada (63,6%, n=14), tempo de fala menor (74 segundos) com emissão de maior número de palavras (178), velocidade de fala mais rápida (2,4 palavras por segundo), fluência adequada (59%, n=13), uso de pausas silenciosas adequadas (63,6%, n=14) e avaliação mais alta quanto ao desempenho comunicativo (nota=6,56). A comunicação dos empresários introvertidos caracterizou-se por: articulação bem definida (80%, n=8), projeção vocal adequada (80%, n=8), maior tempo de fala (75 segundos) com emissão de menor número de palavras (161), velocidade de fala mais lenta (2,14 palavras por segundo), fluência alterada (60%, n=6) caracterizada por prolongamentos, pausas silenciosas inadequadas (70%, n=7) caracterizadas como inapropriadas, auto-imagem comunicativa negativa (80%, n=8) e avaliação baixa quanto ao desempenho comunicativo (nota=6,17). Conclusão: Embora se acredite intuitivamente que os extrovertidos sejam melhores falantes, a análise do trabalho evidenciou que há bons falantes em ambos os grupos sendo que, muitas vezes, os aspectos formais de boa articulação dos sons da fala e projeção adequada da voz foram melhor controlados pelos introvertidos. Pela comunicação ser mais natural para o extrovertido ele pode correr o risco de não se preocupar com a forma em que ela é realizada.

1 INTRODUÇÃO

Com o aumento da competitividade, a comunicação interpessoal tem sido um diferencial entre executivos e empresários de todo mundo. As facilidades de comunicação são um fenômeno do mundo contemporâneo, permitindo acesso às informações que representam para o homem moderno, particularmente para o empresário, o mais valioso instrumento que podem dispor.

Para as empresas, a comunicação organizacional já não se concentra apenas em transmitir informações, mas também em mudar o comportamento dos colaboradores para que eles realizem um melhor trabalho, impulsionando a organização em direção a suas metas. Este tem sido um foco crescente para o desenvolvimento dos líderes empresariais.

A comunicação não verbal de um líder pode ilustrar o estilo que as outras pessoas devem seguir, ajudando a criar a verdadeira imagem que a empresa apresenta a seus clientes (Carlzon, Lagerström, 2005). O processo de comunicação e a transmissão de ordens e mensagens podem ser captados de maneira diferente para emitir e para receber. Dessa forma, a implantação de uma comunicação adequada no setor empresarial é de suma importância, pois um líder para motivar e exercer sua liderança deverá transmitir mensagens se certificando de que a informação foi recebida como desejada e de ter atingido seu objetivo.

Considerada um dos principais meios de comunicação, a voz permite ao ser humano expressar suas idéias e pensamentos, sendo responsável pela transmissão de grande parte do significado de uma mensagem. A existência da boa comunicação na empresa motiva a boa execução das tarefas, elimina incertezas, ambigüidades e produz confiança e segurança (Leite, 2001).

O empresário transmite confiança, liderança, credibilidade e assertividade pela voz contribuindo com mudanças de comportamento em sua equipe e mobilizando pessoas para a construção de resultados. A capacidade de persuasão, elemento importante para o êxito das ações dos empresários quanto à influência e transformação de realidades, aumenta consideravelmente quando a voz é clara e bem definida.

Durante a comunicação a personalidade do indivíduo é revelada pela sua qualidade vocal que, embora varie de acordo com o contexto da fala e com as condições físicas e psicológicas do indivíduo, possui um padrão básico de emissão que o identifica (Behlau, Ziemer, 1988).

Uma qualidade vocal com ressonância equilibrada, intensidade adequada ao ambiente com tons de acordo com a mensagem e articulação bem definida expressa uma personalidade equilibrada. Pessoas autoritárias utilizam predominantemente tons graves, intensidade forte e velocidade de fala diminuída. Pessoas submissas possuem voz com pitch agudo, intensidade fraca, ressonância menos equilibrada e maior tensão dos articuladores. Pessoas extrovertidas possuem velocidade de fala acelerada, cometem menos pausas silenciosas e outros fenômenos de hesitação, comparadas às introvertidas (Vasconcelos, 2005).

Determinar se certos traços de personalidade são expressos na voz de uma pessoa e se outros são sensíveis a estes sinais tem sido foco de muitos estudiosos na área de comunicação. Dentre as características de personalidade a dimensão extroversão – introversão influencia na qualidade das interações com outros e sua efetividade na comunicação, aspectos essenciais no papel exercido pelos empresários.

tímidas e reservadas (introvertidas)

Os termos “extroversão” e “introversão” foram dotados de significados específicos por Carl Gustav Jung em sua teoria sobre os “Tipos Psicológicos” diferindo os seres humanos quanto ao direcionamento de suas energias. A palavra “extroversão” corresponde à preferência por focar a energia nas experiências do mundo exterior, das coisas e dos acontecimentos, e a palavra “introversão” à preferência por focar nas experiências do mundo interior, das idéias e pensamentos (Jung, 1967). Ao longo das décadas, os significados de “extroversão” e “introversão” foram mal interpretados no uso coloquial e, nos dias atuais, estes termos são utilizados erroneamente para descrever pessoas expansivas, faladoras e desinibidas (extrovertidas) ou pessoas

Os indivíduos introvertidos apresentam uma atitude reservada e questionadora, normalmente são sutis e impenetráveis, freqüentemente taciturnos e tímidos, muito mais à vontade no mundo das idéias que no mundo das pessoas e coisas. A característica de desprendimento faz com que os introvertidos sejam pouco afetados pelo mundo exterior, demonstram brevidade impessoal de comunicação, com hesitação ao falar, emitindo apenas as suas conclusões, atitude que os limita à exposição e à fama, mas os liberta de enormes demandas exteriores (Myers, Myers, 1997).

Alguns estudos revelam que extrovertidos transmitem melhor imagem comunicativa e refletem qualidades como dominância, abertura e relaxamento quando interagem com outros sendo mais atrativos socialmente que os introvertidos. Para o empresário, transmitir imagem positiva por meio da sua comunicação é imprescindível para defender seus propósitos e valores junto à sociedade e sustentar a credibilidade no relacionamento com seus clientes, além de manter a sinergia e motivação dos funcionários. Desenvolvido com base na teoria sobre os Tipos Psicológicos de Carl Gustav

Jung o instrumento Myers-Briggs Type Indicator - MBTI® é um dos mais avançados instrumentos de verificação de preferências pessoais, em especial quanto à extroversão e introversão. O indicador de tipos MBTI®, elaborado pelas americanas Katharine Briggs e Isabel Briggs Myers, tem sido amplamente utilizado no mundo empresarial para ajudar pessoas e organizações na compreensão das diversidades individuais.

Atualmente, há uma hipervalorização da objetividade que favorece a orientação extrovertida (Rosa, 2005), sendo que no ambiente empresarial, onde a velocidade das informações exige maior rapidez para a tomada de decisões e ações imediatas, os introvertidos são menos valorizados por sua característica reservada e preferência por comunicar-se individualmente e verbalizar após ter pensado profundamente sobre o assunto.

Desde a década de 1960, estudiosos da área de psicologia e sociologia têm investigado a maneira pela qual a personalidade se expressa na fala. Relacionar as similaridades e diferenças comunicativas entre os empresários extrovertidos e introvertidos, com base em parâmetros de voz e fala, possibilita obter maior conhecimento sobre a influência da personalidade na voz. A partir dessa relação o fonoaudiólogo pode direcionar sua atuação para minimizar as dificuldades e aprimorar as habilidades comunicativas dos empresários e, conseqüentemente, auxiliá-los no sucesso pessoal e profissional.

1.1 OBJETIVO

1.1 Objetivo geral:

O objetivo do trabalho é caracterizar a comunicação de empresários avaliados como extrovertidos e introvertidos de acordo com a escala extroversão-introversão do instrumento MBTI®.

1.2 Objetivos específicos:

Comparar a comunicação de empresários introvertidos e extrovertidos.

Verificar de acordo com a personalidade os seguintes parâmetros: tipo de voz, articulação, ressonância, loudness, pitch, projeção vocal, velocidade, variação melódica, fluência, pausas silenciosas, pausas preenchidas, barreiras verbais e coordenação pneumofonoarticulatória.

2 REVISÃO DA LITERATURA

Jung (1967) chamou os tipos gerais de disposição de “introvertido” e “extrovertido” e descreveu suas diferenças como facilmente perceptíveis e encontráveis em absolutamente todas as camadas da população. Para o autor, a extroversão e a introversão são duas atitudes naturais antagônicas entre si.

Kramer, Aronovitch (1970) revelaram em sua pesquisa sobre a percepção auditiva da voz de extrovertidos e introvertidos, que os ouvintes não identificaram corretamente a extroversão dos falantes, mas foram consistentes em seus julgamentos quanto à extroversão-introversão do falante nas diferentes tarefas solicitadas. Os autores concluíram que certas vozes soam introvertidas ou extrovertidas, independentemente das tarefas atribuídas, como instruções ao telefone ou descrição de fortes emoções.

Allport, Cantril (1978) estudaram a habilidade de sujeitos leigos para julgar a personalidade baseada na qualidade de voz. Na maioria das amostras, os sujeitos foram capazes de identificar um grau de extroversão-introversão do falante.

Ramsay (1978) em sua pesquisa sobre a razão som/silêncio de extrovertidos e introvertidos relatou que os extrovertidos exibiram pausas silenciosas mais curtas entre as frases que os introvertidos nas tarefas de leitura, fala espontânea e descrição de figuras.

Addington (1978) reconheceu que os julgamentos estereotipados dos sinais vocais ocorrem regularmente e explorou a natureza específica desses estereótipos. Ele utilizou quatro falantes treinados para simular sete qualidades vocais em três níveis de velocidade de fala para ouvintes leigos julgarem. Os resultados mostraram que conforme os falantes aumentavam a velocidade de fala mais eles eram percebidos como extrovertidos, porém essa percepção apenas ocorreu para falantes do sexo feminino.

Siegman (1978) demonstrou que a dimensão extroversão-introversão está correlacionada significantemente com vários índices temporais. Em suas pesquisas encontrou que os extrovertidos podem ser diferenciados dos introvertidos pelo seu tempo de fala e, ainda, que a extroversão está associada com fala mais rapidamente articulada e mais fluente.

Scherer (1979) descobriu, no caso dos falantes americanos, que os juízes podiam identificar corretamente a extroversão. Segundo o autor, os sinais associados à extroversão do orador, quando comparados à introversão, são: maior fluência (pausas mais curtas quando a vez de falar muda de um para outro falante, pausas silenciosas mais curtas durante a fala de uma pessoa, menos hesitações); ritmo mais rápido; fala mais alta; contraste mais dinâmico e timbre mais variável.

Scherer, Scherer (1981) descrevem os extrovertidos típicos como pessoas sociáveis, despreocupadas e desembaraçadas, com desejo de agitação, geralmente impulsivos na ação; possuem uma resposta pronta para verbalizar, com tendência a ser agressivo e perder o controle rapidamente. Os autores ainda descrevem os introvertidos típicos como pessoas quietas, retraídas, introspectivas, aficionadas por livros mais que pessoas, reservadas e distantes, que não gostam de agitação e mantêm seus sentimentos sob controle, raramente se comportam de maneira agressiva e não perdem o controle facilmente.

(Parte 1 de 5)

Comentários