FRACIONAMENTO DA MATÉRIA SECA ACUMULADA POR PERFILHO DO CAPIM-ARUANA CULTIVADO SOB DIFERENTES INTENSIDADES LUMINOSAS

FRACIONAMENTO DA MATÉRIA SECA ACUMULADA POR PERFILHO DO CAPIM-ARUANA CULTIVADO...

Título FRACIONAMENTO DA MATÉRIA SECA ACUMULADA POR PERFILHO DO CAPIM-ARUANA CULTIVADO SOB DIFERENTES INTENSIDADES LUMINOSAS“1”

Autores ALMIR ROGERIO EVANGELISTA DE SOUZA"2", CLAUDIO MISTURA"3", SILVIA HELENA NOGUEIRA TURCO"4", ALYSSON BARBOSA VIEIRA”2”, RERISON MAGNO BORGES PIMENTA"5", ALINE DA SILVA SANTOS"5", WAGNER DA SILVA OLIVEIRA”5”, PABLO TEIXEIRA LEAL DE OLIVEIRA”5”

Chamada de Rodapé

1 Projeto financiado pela FAPESB. 2 Bolsista do CNPq e estudante do Curso Engenharia Agronômica do DTCS/UNEB. E-mail: almirssouza@gmail.com. 3 Professor do DTCS/UNEB - Forragicultura. E-mail: cmistura@ig.com.br 4 Professora do DTCS/UNEB - Ambiência Animal. 5 Bolsistas do FAPESB, PICIN e AfroAtitude (AMA) e estudante do Curso Engenharia Agronômica do DTCS/UNEB.

Resumo

O experimento foi conduzido no DTCS/UNEB, em casa de vegetação, estudando o acúmulo da matéria seca fracionada nas diferentes frações do perfilho do capim-aruana (“Panicum maximum” cv. Aruana) cultivado em ambientes com diferentes intensidades luminosas - IL (25, 50, 75 e 100%) num delineamento inteiramente coasualizado com 10 repetições. Constaou-se diferença significativa (P<0,05) para as variáveis respostas estudadas, com maior acúmulo de matéria seca por pefilho na intensidade luminosa de 75% e menor na de 25%, nas diferentes frações dos perfilhos do capim-aruana.

Palavras-Chave Forragem, Morfologia, Sombreamento

Title DIVISION OF ACCUMULATED DRY MATTER FOR TILLER OF ARUANAGRASS CULTIVATED UNDER DIFFERENT LUMINOUS INTENSITIES

Abstract

The experiment was carried in DTCS/UNEB, in greenhouse, studying the accumulation of dry matter fractional in the different fractions of tiller of aruanagrass (“Panicum maximum” cv. Aruana) cultivated in environment with different luminous intensities - IL (25, 50, 75 and 100%) in completely randomized design with 10 repetitions. Verified difference significant (P<0,05) for the variables studied answers, with larger matter accumulation for tiller in luminous intensity of 75% and smaller in 25%, in different fractions of tillers of aruanagrass.

Keywords Forage, Morphology, Shading

Introdução

A utilização de forrageiras tolerantes ao sombreamento é uma das condições necessárias para se obter as vantagens potenciais da associação de pastagens cultivadas com árvores (Carvalho, 1998; Castro, et al., 1999). Dentre as espécies forrageiras para pastagem, aquelas do grupo “Panicum maximum” sempre despertaram grande interesse entre pesquisadores, provavelmente devido à alta produtividade e ampla adaptabilidade (Jank, 1995). Sabendo que a produção de forragem é fortemente influenciada pela capacidade produtiva de cada perfilho, dentro de sua comunidade, em resposta da disponibilidade da oferta dos fatores bióticos e abióticos. Assim, uma das formas de verificar a eficiência produtiva da forragem é analisar o acúmulo de forragem através das diferentes frações que os compõem. Neste contexto, quando analisa os perfilhos individuais, permitirão verificar quais são as frações com maior contribuição no acúmulo da matéria seca das gramíneas analisadas, em resposta do conjunto das práticas de manejo adotada nas pastagens. Diante disto, a presente pesquisa buscou quantificar a produção de matéria seca nas diferentes frações que compõem o periflho, quando as plantas do capim-aruana (“Panicum maximum “cv. Aruana) foram submetidas em diferentes ambientes de intensidade luminosa na região semi-árida.

Material e Métodos

Este estudo foi realizado no Departamento de Tecnologia e Ciências Sociais - DTCS, campus I da Universidade do Estado da Bahia - UNEB, Localizada na cidade de Juazeiro - BA, localizada no extremo norte do estado, no período correspondente de 05/04/2005 à 25/05/2005. No qual o “Panicum maximum” cv. Aruana foi submetido a condições de diferentes níveis de intensidade luminosa – IL (25, 50, 75 e 100%) obtidos com a utilização de telas de polipropileno "sombrit" de cor preta. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, com 10 repetições. Os vasos utilizados possuíam capacidade de 14 dm³ de solo, sendo utilizados somente 12 dm³/vaso de solo, previamente peneirado e realizado análise química e física, em que demonstraram não haver necessidade de correção de acidez do solo e classificaram o solo como de textura arenosa. A recomendação da adubação de manutenção foi realizada de acordo com a demanda do cultivo do capim-aruna, recomendado pelo manual de recomendação de análise de solo para forrageira de alto nível tecnológico (Cantarutti el al., 1999). Diante disto, a adubação da pastagem foi realizada numa relação de N:P:K de 1:0,25:0,8 equivalentes a 137,5+34,37+110 mg/dm³ aplicada em dose única. A semeadura do capim-aruana foi realizada em bandejas plásticas de cloreto de polivenilcloreto (PVC) contendo 200 células, preenchidas por substrato agrícola comercial “Plantimax” e após 12 dias, realizou-se o transplantio definitivo destas mudas emergidas nas células para os vasos com solo (três células/vaso), adotando o critério de uniformidade para a seleção das plantas. Por estas células conterem várias plantas/célula, realizou-se dois desbastes aos seis e 12 dias, selecionando três plantas/vaso, mantidas em capacidade de campo até o final do período experimental, através de regas diárias. A colheita foi realizada após 3 dias pos-transplante, sendo transportados todos os 40 vasos para o laboratório de forragicultura, obtendo das frações da matéria seca da parte aérea e da raiz. Além da matéria seca de raiz (MSRz), possibilitou estudar as seguintes frações na parte aérea/perfilho: a) Matéria seca total (MST)= (MSC+Psc) + MSLF + MSSc + MSRz; b) Matéria seca parte área (MSPA)= MST - MSRz; c) Matéria seca de colmo+pseudocolmo (MSC+Psc)= MSPA - MSLF e MSSc; d) Matéria seca de lâmina foliar (MSLF)= MSPA - MSC+Psc e MSSc; e) Matéria seca senescente (MSSc)= MSPA – (MSLF + MSC+Psc). Esta matéria seca entre as diferentes frações do perfilho foram acondicionada em sacos de papeis devidamente identificados e levados à estufa de secagem com ventilação de ar forçado a 60±5 ºC, ficando por um período de 72 horas, efetuando posteriormente as pesagens da matéria seca em balança de precisão de 0,001 g. Para estimar a produção por perfilho dividiu-se o peso da matéria seca acumulada nas diferentes frações em cada vaso dividido pelo número de perfilho vegetativos. Sendo tabulados os dados para a análise estatística de variância padrão (teste F) a 5% de probabilidade, seguida de regressão polinomial para número de perfilhos, utilizando o programa WinStat 2.0.

Resultados e Discussão

A análise estatística de variância padrão pelo teste F, constatou efeito significativo (P<0,05) em todas as variáveis respostas estudadas com o capim-aruana cultivado em casa de vegetação nos diferentes ambientes de intensidade luminosa - IL, que permitiu o ajuste de equações quadráticas em todas as frações da matéria seca (MS) analisada por unidade de perfilho (Figura 1), exceto para produção de matéria seca senescente, que ajustou equação linear. O efeito do sombreamento na produção de matéria seca total (MST), colmo+pseudocolmo (MSC+Psc), lâmina foliar (MSLF) e da raiz (MSRz) por perfilho do “Panicum maximum” cv. Aruana obtiveram os pontos de máxima na IL de 68,38%, 78,57%, 56,6% e 85,58%, equivalente da Ŷmax= 1,80; 1,18; 0,76 e 0,48 g/perfilho, respectivamente. Enquanto, a matéria seca senescente teve sua maior produção na IL a 100%, com incremento de 0,0045 g/perfilho a cada ponto percentual incrementado na IL. Estes resultados obtidos pela derivação da equação de regressão quadrática, indicaram que as melhores respostas nas diferentes frações da matéria seca do perfilho, ocorreram na casa de vegetação com IL de 75%, exceto para o material senescente, que ocorreu a 100% de IL. Este resultado está de acordo com Vieira et al. (2006), neste mesmo experimento, quando avaliaram as características morfogênicas, que não constataram diferença significativa nas taxas de crescimento e aparecimento de lâmina foliar entre os ambientes de 50 e 75% de IL, porém com médias significativas entre as IL de 25 e 100%. Esta menor produção na IL a 100% (pleno sol) em relação as IL de 50 e 75%, pode ser justificada pela maior aceleração dos processos fisiológico da planta, que resultaram em maior número de perfilhos reprodutivos com estádio de maturação avançado, além da maior senescência foliar, em relação aos ambientes de menores intensidades luminosas. Por outro lado, na IL de 25%, foi observado o oposto, ou seja, não se constataram perfilhos no estádio reprodutivo e com baixa senescência das lâminas foliares mais velhas (basilares). Portanto, a presente pesquisa determina que a melhor resposta para as variáveis analisadas ocorreu na IL de 75%. Outra conclusão deste trabalho, é o indicativo de novos estudos, que vise potencializar a produção de forragem proporcional com a melhor idade fisiológica da colheita do capimaruana, nas intensidades luminosas para cada ambiente estudado.

Conclusões

Os maiores acúmulos de matéria seca das diferentes frações dos perfilhos do capim-aruana ocorre na intensidade luminosa de 75%. Na intensidade luminosa de 25% proporciona menor acúmulo de matéria seca por perfilho. Sugere determinar as idades fisiológicas ideais de colheitas, para cada IL e estudos sob sobosques de frutíferas cultivadas na região, com finalidade de alimentação de ruminantes.

Referências Bibliográficas 1. CANTARUTTI, R.B.; MARTINS, C.E.; CARVALHO, M.M. et al. Pastagens. In: RIBEIRO, A.C.; GUIMARÃES, P.T.G.; ALVAREZ, V.H. (Eds.) Comissão de fertilidade do solo do Estado de Minas Gerais: recomendação para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais – “5ª Aproximação”. Viçosa, 1999. p.332-341.

2. CARVALHO, M. M. Efeito do sombreamento na produtividade e na qualidade da forragem em pastagens. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE BIOMETEOROLOGIA, 2., 1998, Goiânia. “Anais...” Goiânia: Sociedade Brasileira de Biometeorologia, 198. p. 9-117.

MANEJO DA PASTAGEM, 12, 1995, Piracicaba. AnaisPiracicaba: FEALQ, 1995. p. 21 – 58.

3. JANK, L.. Melhoramento e seleção de cultivares de “Panicum maximum”. In: SIMPÓSIO SOBRE

4. CASTRO, C.R.C.; GARCIA, R.; CARVALHO, M.M.; COUTO, L. Produção forrageira de gramíneas cultivadas sob luminosidade reduzida. “Revista Brasileira de Zootecnia”, v.28, p.919-927, 1999.

5. VIEIRA, A.B.; MISTURA, C.; TURCO, S.H.N. et al. Efeito de diferentes intensidades luminosas sobre as características morfogênica do capim-aruana. In: CONGRESSO NORDESTINO DE PRODUÇÃO ANIMAL, 4., Petrolina – PE, 2006. “Anais...” Petrolina: Embrapa Semi-Árido, 2006. 1 CD-ROM. (Em tramitação).

MS (g / p e r fi l h o )

MS/Perf

MSLF/Perf MSC+Psc/Perf

MSRz/Perf MSSc/Perf

Anexo

Figura 1 – Matéria seca total – MST (♦), colmo – MSC (▲), lâmina foliar – MSLF (■), raiz – MSRz (*) senescente – MSSnc(○) por perfilho do capim-aruana, sob diferentes intensidades luminosas, Juazeiro – BA, 2005.

Comentários