ELETRÔNICA DIGITAL 1

CAPÍTULO 2 – Funções e Portas Lógicas

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas

2.2 Funções Lógicas Básicas3
2.2.1 Função Lógica NÃO (NOT)3
2.2.2 Função Lógica E (AND)3
2.2.3 Função Lógica OU (OR)5
2.2.4 Função Lógica NÃO E (NAND)7
2.2.5 Função Lógica NÃO OU (NOR)7
2.3 Interligação entre Expressões, Circuitos e Tabela da Verdade10
2.3.1 Expressões Booleanas Obtidas de Circuitos Lógicos10
2.3.2 Circuitos Lógicos Obtidos de Expressões Booleanas10
2.3.3 Tabelas da Verdade obtidas de Expressões Booleanas12
2.3.4 Expressões Booleanas Obtidas de Tabelas da Verdade12
2.3.5 Equivalência Entre Blocos Lógicos13

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas

No início da era eletrônica, todos os problemas eram resolvidos por sistemas analógicos, também conhecidos por sistemas lineares, onde uma quantidade é representada por um sinal elétrico proporcional ao valor da grandeza medida. As quantidades analógicas podem variar em uma faixa contínua de valores.

Com o avanço da tecnologia, esses mesmos problemas começaram a ser solucionados através da eletrônica digital, onde uma quantidade é representada por um arranjo de símbolos chamados dígitos. Este ramo da eletrônica emprega em suas máquinas, tais como: computadores, calculadoras, sistemas de controle e automação, codificadores, decodificadores, entre outros, apenas um pequeno grupo de circuitos lógicos básicos (que realizam funções lógicas), que são conhecidos como portas OU, E, NÃO e flipflops.

Então, um circuito digital emprega um conjunto de funções lógicas, onde função é a relação existente entre as variável independente e a variável dependente (função) assim como aprendemos na matemática. Para cada valor possível da variável independente determina-se o valor da função.

O conjunto de valores que uma variável pode assumir depende das restrições ou especificações do problema a ser resolvido. Esta variável é, normalmente, conhecida como variável independente.

Para o momento, nosso interesse está no comportamento de um sistema lógico como o descrito por George Boole em meados do século passado. Nestes sistemas as variáveis independentes são conhecidas como variáveis lógicas e as funções, como funções lógicas (variável lógica dependente). As variáveis lógicas (dependentes ou independentes) possuem as seguintes características: - Pode assumir somente um de dois valores possíveis;

- Os seus valores são expressos por afirmações declarativas, ou seja, cada valor está associado a um significado; - Os dois valores possíveis das variáveis são mutuamente exclusivos.

Uma variável lógica A pode assumir um valor verdadeiro (A=V) ou o valor falso (A=F). Em geral, usa-se uma faixa de tensão em volts compatível com os circuitos digitais utilizados para representar o valor falso ou verdadeiro de uma variável lógica.

Lógica Positiva: A tensão mais positiva representa o valor V (1) e a mais negativa o valor F(0).

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas

Lógica Negativa: O valor V é representado pela tensão mais negativa (1) e F pela tensão mais positiva (0).

Lógica Mista: No mesmo sistema, usam-se as lógicas positiva e negativa.

O passo seguinte na evolução dos sistemas digitais foi a implementação dos sistemas lógicos (funções lógicas Booleanas), utilizando-se dispositivos eletrônicos (circuitos digitais), obtendo-se assim, rapidez na solução dos problemas (descritos pela álgebra de Boole). Nos circuitos digitais tem-se somente dois níveis de tensão, que apresentam correspondência com os possíveis valores das variáveis lógicas. Exemplo: lógica TTL (“Transistor Transistor Logic”)

Lógica Positiva: 0 V → 0 lógico+5 V → 1 lógico.
OU EXCLUSIVO (XOR) e flip-flop. Vamos conhecê-las

Um sistema lógico pode ser implementado utilizando-se funções lógicas básicas. Pode-se citar: NÃO (NOT), E (AND), OU (OR), NÃO-E (NAND), NÃO-OU (NOR),

É normalmente denominado de inversor, pois se a entrada tem um valor a saída apresentará o outro valor possível.

Símbolo: A Simbologia representa um conjunto de circuitos eletrônicos que implementa a função lógica correspondente. A Porta Lógica Inversora é representada pelo seguinte símbolo:

Y = f(A) = AYA Y=Variável dependente

A=Variável independente

Tabela da Verdade: É uma tabela que mostra todas as possíveis combinações de entrada e saída de um circuito lógico.

YA= (esta equação representa a função lógica correspondente)

Entrada Saída

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas

A função lógica “AND” de duas entradas realiza a seguinte operação de dependência.

Y = f(A,B) = A.B = B.A (produto lógico) Símbolo:

Tabela da Verdade: AB Y

Exemplo: Convenção:

CH A aberta = 0 CH A fechada = 1 CH B aberta = 0 CH B fechada = 1 Lâmpada apagada = 0 Lâmpada acesa = 1

Se analisarmos todas as situações possíveis das chaves verifica-se que a lâmpada acende somente quando as chaves A e B estiverem fechadas (assume 1 somente quando todas as entrada forem 1).

ComutatividadeAssociatividade (propriedades aritméticas...)

Y = A.B.C = B.A.C = C.A.B = (A.B).C = A.(B.C) Símbolo representativo:

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas

Tabela da Verdade

(3 var. → 23 combinações) A B C Y

Se tivermos N entradas teremos:

A tabela da verdade terá 2N combinações na entrada e Y será 1 somente quando todas as entradas forem 1.

A função lógica OR de duas variáveis realiza a seguinte operação de dependência:

Y = f(A,B) = A+B (soma lógica) Símbolo:

Tabela da Verdade: AB Y

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas

1 1 1 Exemplo:

Utiliza-se as mesmas convenções adotadas para a porta AND. Ao analisar-se todas as situações que as chaves podem assumir verifica-se que a lâmpada acende quando CH A OU CH B OU ambas estiverem ligadas (a saída assume 0 somente quando todas as entradas forem 0).

Comutatividade Associatividade

Símbolo: Tabela da Verdade:

Se tivermos N entradas, teremos:

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas

Como o próprio nome diz esta função é uma combinação das funções AND e INVERSOR, onde é realizada a função E invertida.

Y = f(A,B) = AB.

Tabela da Verdade: AB Y

Símbolo:

Como o próprio nome diz esta função é uma combinação das funções OR e INVERSOR, onde é realizada a função OU invertida.

Y = f(A,B) = AB+

Tabela da Verdade: AB Y

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas

Símbolo:

Exercícios:

1. Representar portas NOR e NAND com mais de duas entradas (símbolo, função e tabela da verdade). 2. Pesquisar sobre a porta OU-EXCLUSIVO. 3. Pesquisar sobre a porta COINCIDÊNCIA.

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas

9 Tabela resumo das Portas (blocos) lógicas básicas:

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas

Todo circuito lógico, por mais complexo que seja, é formado pela combinação de portas lógicas básicas.

Todo o circuito lógico executa uma função booleana e, por mais complexo que seja, é formado pela interligação das portas lógicas básicas. Assim, pode-se obter a expressão booleana que é executada por um circuito lógico qualquer.

Para exemplificar, será obtida a expressão que o circuito da abaixo executa.

Para facilitar, analisa-se cada porta lógica separadamente, observando a expressão booleana que cada uma realiza, conforme ilustra o exemplo da Fig. 2.17. O exemplo da figura a seguir visa evidenciar um símbolo de negação muito utilizado e que muitas vezes é esquecido e não considerado. Ele pode ser utilizado na saída de uma porta lógica (o-----), como na porta NÃO E abaixo, e na entrada de algumas portas, como será visto mais adiante (-----o).

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas

Será visto neste tópico que é possível desenhar um circuito lógico que executa uma função booleana qualquer, ou seja, pode-se desenhar um circuito a partir de sua expressão característica.

O método para a resolução consiste em se identificar as portas lógicas na expressão e desenhá-las com as respectivas ligações, a partir das variáveis de entrada. Deve-se sempre respeitar a hierarquia das funções da aritmética elementar, ou seja, a solução inicia-se primeiramente pelos parênteses.

Para exemplificar, será obtido o circuito que executa a expressão S=(A+B).C.(B+D). Para o primeiro parêntese tem-se uma soma booleana A+B, logo o circuito que o executa será uma porta OU. Para o segundo, tem-se outra soma booleana B+D, logo o circuito será uma porta OU. Posteriormente tem-se a multiplicação booleana de dois parênteses juntamente com a variável C, sendo o circuito que executa esta multiplicação uma porta E. Para finalizar, unem-se as respectivas ligações obtendo o circuito completo.

Exercícios.

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas

Uma maneira de se fazer o estudo de uma função booleana é a utilização da tabela da verdade. Para extrair a tabela da verdade de uma expressão deve-se seguir alguns procedimentos: 1º) Montar o quadro de possibilidades; 2º) Montar colunas para os vários membros da equação; 3º) Preencher estas colunas com os seus resultados; 4º) Montar uma coluna para o resultado final e 5º) Preencher esta coluna com os resultados finais.

Para exemplificar este processo, utiliza-se a expressão:

A expressão contém 4 variáveis: A, B, C e D, logo, existem 24=16 possibilidades de combinação de entrada. Desta forma, monta-se o quadro de possibilidades com 4 variáveis de entrada, três colunas auxiliares, sendo uma para cada membro da expressão, e uma coluna para o resultado final.

Neste item, será estudada a forma de obter expressões e circuitos a partir de tabelas da verdade, sendo este o caso mais comum de projetos práticos, pois, geralmente, necessita-se representar situações através de tabelas da verdade e a partir destas, obter a expressão booleana e conseqüentemente, o circuito lógico. Para demonstrar este procedimento, será obtida a expressão da seguinte tabela:

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas

Na tabela, analisa-se onde S=1 e monta-se a expressão adequada.

Para se obter a expressão basta realizar a soma booleana de cada termo acima:

Nota-se que o método permite obter, de qualquer tabela, uma expressão padrão formada sempre pela soma de produtos. Utilizando a álgebra de Boole e também mapas de Karnaught é possível realizar a simplificação de expressões de funções lógicas, possibilitando a obtenção de circuitos reduzidos e portanto mais baratos. Estas técnicas não fazem parte de nosso objetivo, mas é interessante conhecê-las através de uma bibliografia adicional.

As portas lógicas podem ser montadas de forma que possam realizar as mesmas tarefas, ou seja, ter as saídas funcionando de maneira igual a uma outra já conhecida. Estas equivalências são muito importantes na prática, ou seja, na montagem de sistemas digitais, pois possibilitam maior otimização na utilização dose circuitos integrados comerciais, assegurando principalmente a redução de componentes e a conseqüente minimização do custo do sistema.

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas

Todos os Blocos lógicos e expressões podem ser verificadas utilizando-se a tabela da verdade.

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas

Exercícios de Fixação Determine as expressões das funções lógicas dos circuitos abaixo:

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas 16

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas 17

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas 18

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas

Sabe-se que todos os circuitos digitais, por mais complexos que sejam, são obtidos através de portas lógicas. As portas lógicas, por sua vez, não são encontradas comercialmente de uma forma discreta (como os resistores) e sim encapsuladas em Circuitos Integrado – CIS, que serão melhor explorados nas aulas de Instrumentação.

TODO circuito integrado possui um conjunto de contatos externos, denominados “pinos” (leads ou ainda, terminais), cada qual com sua função específica. São numerados a partir do número “1” no sentido anti-horário. O pino “1” é identificado olhando-se o CI pela parte superior, conforme mostra a Figura 1.TODO circuito integrado possui um manual no qual a função de cada um de seus pinos está descrita. Os CIs que implementam funções lógicas podem possuir uma ou mais portas, geralmente todas de uma mesma função.

a)b) c)
indicaçãoa) CI de 20 pinos com pino “1” identificado por “chanfro”; b) CI de 16 pinos

Figura 1 - Vista superior, em diferentes posições, da pinagem de um CI e suas diferentes formas de orientado em outra direção; c) CI de 24 pinos com “traço” de identificação do pino “1” (repare que a contagem dos pinos continua sendo realizada no sentido anti-horário); d) CI de 14 pinos com pino “1” identificado por um “ponto”;

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas

Deve-se tomar todo o cuidado possível no manuseio de circuitos integrados, pois os mesmos podem vir a ser facilmente danificados através das DESCARGAS ELETROSTÁTICAS ACUMULADAS quando tocamos seus terminais. Portanto, jamais deve-se tocar os pinos de um CI, ou as pistas de uma placa de circuito impresso sem a proteção adequada para o desvio destas descargas. Abaixo vocês podem observar algum CIs comercialmente disponíveis. Identifique qual a função desempenhada por cada CI.

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas

Exercício:

Considerando os CIs comerciais vistos no item anterior, realize o projeto (o diagrama com os CIs utilizados) e obtenha a expressão e tabela verdade para o circuito digital abaixo:

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas

Exercícios Desafio: 1) A tabela verdade de um subtrator de 1 bit é indicada abaixo:

A B D BL 0 0 0 0 0 1 1 1 1 0 1 0 1 1 0 0

A e B são os bits a serem subtraídos, D é a diferença entre eles e BL indica o Borrow ( o “vem 1”, análogo ao carry do somador). Projete um circuito para executar a diferença entre as entradas A e B e descreva sua função lógica.

2) Considere o circuito abaixo. Desenhe a forma de onda das saídas do circuito para as entradas indicadas no diagrama de sinal abaixo. Considere um delay de 5 unidades de tempo para cada gate(PORTA) básico (observe o delay do XNOR – toda a porta possui algum...)

CAPÍTULO 2 Funções e Portas Lógicas

3) Considere o circuito abaixo. No tempo t0 a chave é fechada e no tempo t1, aberta. Desenhe a forma de onda dos pontos internos B e C e da saída do circuito. Assuma que o delay de cada gate é de uma unidade de tempo.

50 100 A t0 t1

Comentários