Universidade do estado da bahia TDAH2

Universidade do estado da bahia TDAH2

O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é um transtorno neurobiológico, de causas genéticas, que aparece na infância e freqüentemente acompanha o indivíduo por toda a sua vida. Ele se caracteriza por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade.

  • O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é um transtorno neurobiológico, de causas genéticas, que aparece na infância e freqüentemente acompanha o indivíduo por toda a sua vida. Ele se caracteriza por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade.

  • Outros nomes DDA (Distúrbio do Déficit de Atenção).

  • Em inglês, também é chamado de ADD, ADHD ou de AD/HD.

As primeiras referências sec. XIX – literatura não médica

  • As primeiras referências sec. XIX – literatura não médica

3-6% em crianças escolares

  • 3-6% em crianças escolares

  • Proporção 2:1 estudos nacionais

  • 9:1 estudos clínicos

  • 4,5 a 9,0% para o subtipo desatento

  •  1,7 a 3,9% para o subtipo hiperativo e impulsivo

  • 1,9 a 4,8% para o subtipo combinado

  • Altas taxas de comorbidades com outras doenças psiquiátricas

  • A persistência ao longo da vida adulta ocorre em torno de 50% dos indivíduos que apresentavam na sua infância

Desconhecida, mas influenciam fatores genéticos e ambientais

  • Desconhecida, mas influenciam fatores genéticos e ambientais

Alterações das catecolaminas (dopamina e noradrenalina)

  • Alterações das catecolaminas (dopamina e noradrenalina)

  • Processo neuromaturacional do encéfalo tem uma progressão póstero-anterior

  • Cérebro apresenta volumes intracerebral menor ( estudo em crianças)

  • Hipofunção do córtex pré-frontal levando problemas com concentração, memória, hiperatividade e impulsividade.

  • Alterações no corpo caloso, gânglios de base e cerebelo

QUADRO CLÍNICO

  • QUADRO CLÍNICO

DESATENÇÃO

  • DESATENÇÃO

  • Desatenção:

i) com freqüência apresenta esquecimento em atividades diárias

  • i) com freqüência apresenta esquecimento em atividades diárias

HIPERATIVIDADE

  • HIPERATIVIDADE

Hiperatividade:

  • Hiperatividade:

Hiperatividade:

  • Hiperatividade:

IMPULSIVIDADE

  • IMPULSIVIDADE

Impulsividade:

  • Impulsividade:

Deve haver claras evidências de prejuízo clinicamente significativo no funcionamento social, acadêmico ou ocupacional. Os sintomas não ocorrem exclusivamente durante o curso de um transtorno invasivo do desenvolvimento, esquizofrenia ou outro transtorno psicótico

  • Deve haver claras evidências de prejuízo clinicamente significativo no funcionamento social, acadêmico ou ocupacional. Os sintomas não ocorrem exclusivamente durante o curso de um transtorno invasivo do desenvolvimento, esquizofrenia ou outro transtorno psicótico

Tipo desatendo é mais comum em mulheres, bem como o combinado

  • Tipo desatendo é mais comum em mulheres, bem como o combinado

  • Tipo hiperatividade/impulsividade tendem a apresentar altas taxas de impopularidade e de rejeição pelos colegas. Mais em meninos

  • O tipo combinado apresenta um maior prejuízo no funcionamento global

Visual

  • Visual

  • Auditiva

  • Exames neurológicos

  • Psicológica ( teste Wechsler Intelligence Scale for Children avalia a cognição, favorece diagnóstico diferencial)

  • Exames de neuroimagem (tomografia, ressonância magnética, ou

  • SPECT cerebral).

Envolve diversas abordagens:

  • Envolve diversas abordagens:

PSICOFARMACOLÓGICO

  • PSICOFARMACOLÓGICO

FARMACOLÓGICO:

  • FARMACOLÓGICO:

  • Outros medicamentos que ainda não existem no Brasil

  • Focalin – um “derivado” do metilfenidato (na verdade, uma parte da própria molécula)

  • Daytrana – um adesivo (para colocar na pele) de metilfenidato

  • Vyvanse – um metilfenidato que funciona apenas quando é ingerido oralmente (nos casos onde existe risco de usos incorretos e ilícitos do comprimido)

  • Dexedrine – uma anfetamina (Dextroanfetamina); existe a formulação de ação curta e de ação prolongada

  • Adderall – uma mistura de anfetaminas; existe a formulação de ação curta e de ação prolongada

Em crianças e adolescentes o foco está voltado para o tratamento dos sintomas e para ajudar os familiares a lidarem com a criança

  • Em crianças e adolescentes o foco está voltado para o tratamento dos sintomas e para ajudar os familiares a lidarem com a criança

  • Em adultos visa à aceitação da doença, por causa das seqüelas do TDAH crônico

  • Temas:auto-estima, as relações conjugais, as dificuldades no trabalho e nas atividades acadêmico

Objetivos:

  • Objetivos:

  • Capacitar o paciente e sua família a aceitar que o paciente sofre de uma doença médica que produz sintomas que afetam a auto-estima, o humor, a fala, o sono, o apetite e o comportamento social e sexual;

  • Ensinar o paciente e sua família a identificar e caracterizar sintomas;

  • Demonstrar para a família que os episódios da doença têm impacto sobre seu estilo de vida;

Objetivos:

  • Objetivos:

  • Examinar as mudanças de papel que ocorrem durante uma crise aguda, especialmente o papel do paciente na família;

  • Explicar as vantagens do tratamento preventivo a longo prazo;

  • Auxiliar a família a distinguir os efeitos colaterais das medicações e diferenciá-los dos sintomas da doença

Seqüência das atividades ( quatro encontros com freqüência semanal, abordar o TDAH);

  • Seqüência das atividades ( quatro encontros com freqüência semanal, abordar o TDAH);

  • Papel dos professores/terapeutas e dos alunos/pacientes (Os pacientes serão incentivados a ler sobre, a propor estratégias para lidar com suas limitações e sintomas e a ajudar os colegas a lidar com os efeitos colaterais através de uma rede de ajuda)

  • Organização social do grupo/aula (homens e mulheres, em escolaridade semelhante ( duração de uma hora);

Utilização dos espaços e do tempo das sessões (fazer com que os pacientes criem os conteúdos a serem discutidos)

  • Utilização dos espaços e do tempo das sessões (fazer com que os pacientes criem os conteúdos a serem discutidos)

  • Organização dos conteúdos (disponíveis no mercado);

  • Materiais didáticos;

  • Avaliação (No final das cinco sessões, haverá uma avaliação escrita sobre os conteúdos discutidos durante o curso do tratamento).

Técnica economia de fichas

  • Técnica economia de fichas

  • Recompensa: revista sobre carros (25), chuveiro do time(30) e 20 min na internet (40 pontos)

  • Pontos ganhados (não se atrasar, fazer tarefas, olhar nos olhos do terapeuta) recebia uma ficha

  • Inclusão da família

  • Transtorno de Leitura e Escrita.

  • Alterações fonológicas;

  • Alterações de léxico

  • Atraso de linguagem

    •  

Fonoaudiológico

  • Fonoaudiológico

ROHDE, L.A.; HALPERN, R. J. Pediatr. (Rio J.) vol.80 no.2 suppl.0 Porto Alegre Apr. 2004 Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: atualização. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jped/v80n2s0/v80n2Sa08.pdf

  • ROHDE, L.A.; HALPERN, R. J. Pediatr. (Rio J.) vol.80 no.2 suppl.0 Porto Alegre Apr. 2004 Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: atualização. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jped/v80n2s0/v80n2Sa08.pdf

  • GREVETL, E. H.; ABREULL, P. B.; SHANSI, F. Proposta de uma abordagem psicoeducacional em grupos para pacientes adultos com Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade. Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul vol.25 no.3 Porto Alegre Dec. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rprs/v25n3/19617.pdf

  • ZAMBOM, L.F.; OLIVEIRA, M. da S.; WAGNER, M. F. Técnica da Economia de Fichas no Transtorno de Déficit de Atenção/ Hiperatividade. Disponível em: http://www.psicologia.com.pt/artigos/textos/A0306.pdf

  • http://www.dda-deficitdeatencao.com.br/oquee/

  •  http://www.tdah.org.br/lanc01.php

Comentários