Sistema nervoso

Sistema nervoso

SISTEMA NERVOSO I

  • SISTEMA NERVOSO CENTRAL

  • E

  • SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO

SISTEMA NERVOSO

ENCÉFALO

SISTEMA NERVOSO CENTRAL

  • DIVISÃO SENSORIAL (ou Aferente):

  • Traz informações para o interior do sistema nervoso central, iniciando com atividades nos receptores sensoriais, na periferia.

  • DIVISÃO MOTORA (ou Eferente):

  • Carreia informações para fora do sistema nervoso central, até a periferia.

SISTEMA NERVOSO CENTRAL – SUBSTÂNCIA BRANCA E CINZENTA

  • A camada mais externa do encéfalo tem cor cinzenta e é formada principalmente por corpos celulares de neurônios. Já a região encefálica mais interna tem cor branca e é constituída principalmente por fibras nervosas (dentritos e axônios). A cor branca se deve a bainha de mielina que reveste as fibras.

  • Na medula espinhal, a disposição das substâncias cinzenta e branca se inverte em relação ao encéfalo; a camada cinzenta é interna e a branca, externa.

MENINGES

  • Tanto o encéfalo como a medula espinhal são protegidos por três camadas de tecido conjuntivo (as meninges). A meninge externa, mais espessa, é a dura-máter; a meninge mediana é a aracnóide; e a mais interna é a pia-máter, firmemente aderida ao encéfalo e a medula, contendo vasos sanguíneos responsáveis pela nutrição e oxigenação das células do sistema nervoso central.

  • Entre a aracnóide e a pia-máter, há um espaço preenchido pelo líquido cerebroespinal ou líquido cefalorraquidiano, que também circula nas cavidades internas do encéfalo e da medula, esse líquido tem a função de amortecer os choques mecânicos do sistema nervoso central contra os ossos do crânio e da coluna vertebral.

FORMAÇÃO E CIRCULAÇÃO DO LÍQUIDO CEREBROESPINAL (LÍQUOR)

  • É formado a uma taxa de 500ml/dia pelas células do plexo coróide. E flui para o interior dos ventrículos e para o espaço subaracnóide, que circunda o encéfalo e a medula espinhal.

  • A pressão dentro do espaço subaracnóide é mais alta que dentro do sistema venoso (pressão negativa p/ o líquido não extravasar).

  • É ralo, aquoso; derivado do plasma sanguíneo.

  • Com exceção de poucos linfócitos, os elementos figurados do sangue estão ausentes. Em casos de injúrias ou inflamação das meninges, o número de células do sangue pode aumentar.

FUNÇÕES DO LÍQUIDO CEREBROESPINAL (LÍQUOR)

  • Sua principal função é promover um coxim de água para o encéfalo e medula espinhal (amortecedor);

  • Previne um escape de neurotransmissores locais para a circulação geral;

  • Fornecer um ambiente constante e controlado para as células cerebrais e proteger o cérebro de toxinas endógenas e exógenas – BARREIRA HEMATOENCEFÁLICA;

BARREIRA HEMATOENCEFÁLICA

  • Muitas substâncias do sangue não entram prontamente nas células do SNC, em função da existência da barreira hemetoencefálica.

  • Os capilares do SNC têm junções coesas entre suas células endoteliais (não fenestrados), o que limita a difusão de substância a partir dos capilares.

  • Dependendo da solubilidade lipídica, as drogas podem penetrar na barreira hematoencefálica facilmente. Ex.: O2 e CO2, são lipossolúveis, portanto penetram facilmente.

  • Astrócitos (célula da glia) interpõem-se entre as células do endotélio e o sistema nervoso central selecionando o material transportado.

SISTEMA NERVOSO

SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO

  • Sistema nervoso autônomo: é involuntário que controla e modula basicamente as funções das vísceras. Cada via sua consiste em dois neurônios – um neurônio pré-ganglionar e um neurônio pós-ganglionar.

  • Sistema nervoso somático: é voluntário, sob controle consciente. Cada uma de suas vias consiste em um neurônio motor e em fibras musculares esqueléticas que ele inerva.

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

  • É definido como um sistema nervoso periférico que regula as funções inconscientes do organismo, como pressão sanguínea, freqüência cardíaca, motilidade intestinal e diâmetro pupilar.

  • Inerva o músculo liso, músculo cardíaco e algumas glândulas.

  • Possui 2 segmentos nervosos periféricos.

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

  • 1º - Fibra nervosa pré-ganglionar:

  • Corpo celular no SNC e axônio inervando um segundo neurônio do circuito.

  • 2º - Fibra nervosa pós-ganglionar:

  • Corpo celular está em uma estrutura periférica chamada de gânglio (coleção de corpos celulares fora do SNC) e seu axônio inerva músculo liso, cardíaco e glândulas.

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO - Involuntário

  • Sistema nervoso autônomo: é involuntário que controla e modula basicamente as funções das vísceras. Cada via sua consiste em dois neurônios – um neurônio pré-ganglionar e um neurônio pós-ganglionar.

  • O corpo celular do neurônio pré-ganglionar se situa no SNC. Os axônios desses neurônios fazem sinapses com os pericários dos neurônios pós-ganglionares em um dos vários gânglios localizados fora do SNC.

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO - Involuntário

  • Os axônios dos neurônios pós-ganglionares se dirigem para a periferia, onde fazem sinapse nos órgãos efetores viscerais, como coração, bronquíolos, músculo liso da parede dos vasos sangüíneos, trato digestivo, bexiga e genitália.

  • Todos os neurônios pré-ganglionares do SNA liberam ACh .

  • Já os neurônios pós-ganglionares liberam ACh ou norepinefrina (noradrenalina) e em alguns casos, neuropeptídeos.

SOMÁTICO x AUTÔNOMO

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

  • Apresenta duas divisões principais: A SIMPÁTICA e a PARASSIMPÁTICA.

  • Essas divisões complementam uma a outra na regulação do funcionamento dos órgãos.

  • Os termos adrenérgicos e colinérgicos são utilizados para descrever os neurônios de ambas as divisões, de acordo com o neurotransmissor que eles sintetizam e liberam.

DIFERENÇAS ENTRE OS SISTEMAS SIMPÁTICO E PARASSIMPÁTICO

  • 1. DIFERENÇAS ANATÔMICAS

  • 2. DIFERENÇAS FUNCIONAIS

  • 3. NEUROTRANSMISSORES

  • 4. RECEPTORES

1. DIFERENÇAS ANATÔMICAS

  • Quanto à posição do neurônio pré-ganglionar:

  • SIMPÁTICO – Tóraco-lombar.

  • PARASSIMPÁTICO – Crânio-sacral

  • Quanto à posição do neurônio pós-ganglionar:

  • SIMPÁTICO – em gânglios próximos da medula espinhal.

  • PARASSIMPÁTICO – em gânglios da parede visceral ou muito próximas a esta.

  • Quanto ao comprimento das fibras:

  • SIMPÁTICO – pré-ganglionares curtas e pós-ganglionares longas.

  • PARASSIMPÁTICO – pré-ganglionares longas, pós-ganglionares curtas.

  • .

2. DIFERENÇAS FUNCIONAIS

  • SIMPÁTICO – Utilizado em estímulos de LUTA E FUGA = ↑ freqüência cardíaca, ↑ da freqüência respiratória, ↑ pressão arterial, ↑ fluxo sanguíneo para ativar os músculos, etc.

  • PARASSIMPÁTICO – produzem respostas viscerais localizadas importantes para a homeostase; predomina durante a saciedade e o repouso.

3. DIFERENÇAS QUANTO À NEUROTRANSMISSORES

  • SIMPÁTICO – noradrenalina e acetilcolina.

  • PARASSIMPÁTICO – Sempre acetilcolina.

4. DIFERENÇAS QUANTO À RECEPTORES

  • RECEPTORES DA ACETILCOLINA (COLINÉRGICOS):

  • MUSCARÍNICOS – encontrados em todas as células efetoras controladas pelos neurônios pós-ganglionares do SN parassimpático.

  • NICOTÍNICOS – encontrados nas sinapses

  • entre os neurônios pré-ganglionares e pós-ganglionares dos sistemas simpático e parassimpático e na junção neuromuscular.

  • ** A atropina bloqueia os receptores muscarínicos e o curare bloqueia os receptores nicotínicos.

AÇÃO EXCITATÓRIA E INIBITÓRIA DA ESTIMULAÇÃO SIMPÁTICA E PARASSIMPÁTICA

SISTEMA NERVOSO SOMÁTICO

  • Sistema nervoso somático: é voluntário, sob controle consciente.

    • Cada uma de suas vias consiste em um neurônio motor e em fibras musculares esqueléticas que ele inerva.
    • O corpo celular do neurônio motor localiza-se no SNC, no tronco encefálico ou na medula espinhal e estabelece conexões sinápticas diretamente com o músculo estriado esquelético, o órgão efetor.

SISTEMA NERVOSO SOMÁTICO - Voluntário

  • O neurotransmissor Ach é liberado dos terminais pré-sinápticos nos neurônios motores e ativa os receptores nicotínicos localizados na placa motora do músculo esquelético.

  • O potencial de ação do neurônio provoca um potencial de ação no músculo (fibra muscular), levando à contração muscular.

SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO

  • GÂNGLIOS = coleção de corpos celulares fora do SNC).

  • NERVOS = são cordões esbranquiçados constituídos por feixes de fibras nervosas reforçadas pelo tecido conjuntivo, que unem o sistema nervoso central aos órgãos periféricos.

  • Os nervos raquidianos nascem todos na medula nervosa, mas se espalham por todo o corpo; são encontrados em 31 pares e são todos mistos.

  • Possuem duas raízes, a posterior (fibras sensitivas) traz informações para a medula; e a anterior (fibras motoras), leva informações da medula para outras partes do corpo.

SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO

  • NERVOS MOTORES

    • Partem do SNC e se distribuem por todo o corpo, de ação voluntária ou involuntária.
  • NERVOS SENSITIVOS

    • Vêm de todas as regiões do corpo e convergem no SNC. Permitem ver, ouvir, sentir dor, cheiro, gosto, calor, etc.
  • NERVOS MISTOS

    • Características semelhantes às duas classes anteriores, podendo tanto trazer informações ao SNC quanto levar informações para outras partes do corpo.

REFLEXOS – COMPONENTES BÁSICOS

  • RECEPTOR – traduzem energia ambiental e convertem-na em potenciais de ação.

  • NERVO SENSORIAL – conduzem potenciais de ação do receptor ao SNC.

  • SINAPSE – no SNC.

  • NERVO MOTOR – conduz os potenciais de ação do SNC para o órgão-alvo (efetor).

  • ÓRGÃO ALVO – causa a resposta reflexa.

ARCO-REFLEXO

  • Uma percussão no joelho estimula receptores sensitivos, gerando um sinal nervoso.

  • O sinal percorre ao longo de uma via nervosa até a medula espinhal.

  • Na medula espinhal, o sinal é transmitido do nervo sensorial ao nervo motor.

  • O nervo motor envia o sinal de volta a um músculo da coxa.

  • O músculo contrai, fazendo com que a perna se desloque para frente. Todo reflexo ocorre sem envolvimento do cérebro.

SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO TERMINAÇÕES NERVOSAS

  • SENSITIVAS:

    • 1.1. Gerais – estruturas simples e espalhadas pelo corpo.
    • *As terminações nervosas com capacidade de percepção e sensação da dor são do tipo livres;
    • * As terminações nervosas responsáveis pelo tato, frio, calor e pressão, são do tipo encapsuladas e recebem nomes especiais como:
        • CORPÚSCULO DE MEISSNER
        • CORPÚSCULO DE VATER PACCINI
        • CORPÚSCULO DE KRAUSE
        • CORPÚSCULO DE RUFINI

SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO TERMINAÇÕES NERVOSAS

  • SENSITIVAS:

    • 1.2 Especiais – estruturas mais complexas que fazem parte dos órgãos dos sentidos na cabeça.
      • EXTEROCEPTORES
      • INTERORECEPTORES
      • PROPRIOCEPTORES
        • Conscientes
        • Inconscientes

SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO TERMINAÇÕES NERVOSAS

  • SENSITIVAS:

    • 1.2. Especiais:
    • CLASSIFICAÇÃO QUANTO À REAÇÃO:
      • MECANORRECEPTORES
      • FONORRECEPTORES
      • FOTORECEPTORES OU ELETROMAGNÉTICOS
      • TERMORRECEPTORES
      • OSMORRECPTORES
      • QUIMIORRECEPTORES
      • NOCICEPTORES

SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO TERMINAÇÕES NERVOSAS

  • 2. MOTORAS:

    • SOMÁTICAS – terminam em músculo estriado esquelético; movimento voluntário.
      • Forma a placa motora
      • É sempre colinérgica
      • Músculo esquelético
    • VISCERAIS – terminam em músculo liso, cardíaco e glândulas (SNA).
      • Não existe na placa motora
      • Fibra é colinérgica ou adrenérgica
      • Músculo liso.

Comentários