Qualidade radiográfica

Qualidade radiográfica

(Parte 1 de 2)

Professora: Andréa de Castro Domingos Vieira Qualidade da Imagem Radiográfica

A qualidade da imagem radiográfica refere-se à precisão na representação das estruturas anatômicas. Uma imagem que reproduz com fidelidade a anatomia da região radiografada é considerada uma imagem de alta qualidade. Por outro lado, quando é difícil para os olhos humanos interpretarem uma certa imagem, diz –se que sua qualidade é baixa.

Quando falamos em qualidade da imagem radiográfica devemos lembrar dos seguintes fatores:

Densidade Contraste Resolução Detalhe Nitidez ou Definição Ampliação ou Magnificação Distorção Velamento

Uma radiografia ideal para o diagnóstico é aquela que possui: Densidade média Contraste médio Detalhe acentuado Grande nitidez

Densidade Refere-se aos diferentes graus de escurecimento do filme radiográfico. Podemos definir densidade como a quantitatização da prata negra metálica presente na película radiográfica após o processamento. A densidade radiográfica varia de acordo com os seguintes fatores:

Miliamperagem por segundo

A densidade é diretamente proporcional à miliamperagem e ao tempo de exposição. Estes dois últimos fatores são considerados um fator único denominado mAs. Quanto maior o mAs, mais fótons de raios x atingirão o filme e mais prata metálica será depositada em sua emulsão. Este é o principal fator energético relacionado à densidade radiográfica.

Quilovoltagem

A quilovoltagem é chamada de “poder de penetração dos raios x” e também influencia a densidade, apesar de a miliamperagem estar mais diretamente ligada à mesma. Quando é preciso utilizar um tempo de exposição muito pequeno, por exemplo quando o paciente não consegue parar de se movimentar, é melhor alterar a densidade através do KV que do mAs. Aumentando-se a quilovoltavem, o grau de escurecimento da radiografia também aumentará, desde que todos os outros fatores sejam mantidos constantes.

Distância foco/filme

Quanto menor a distância foco/filme, maior a quantidade de raios x que chegarão ao mesmo, originando, portanto, uma maior densidade. A densidade é inversamente proporcional ao quadrado da distância foco/filme. Portanto, dobrando-se a distância, reduz –se a densidade em um quarto. Diminuindo-se a distância pela metade, aumenta-se quatro vezes a densidade.

Natureza do objeto

Quanto maior o número atômico, a espessura e a densidade física do objeto, maior será sua capacidade de absorver os fótons de raios x. As imagens formadas serão radiopacas, possuindo, portanto, baixa densidade radiográfica.

Processamento

Possíveis causas de aumento da densidade radiográfica (radiografias muito escuras):

Superrevelação em decorrência de:

Tempo excessivo na solução reveladora; Solução reveladora muito quente; Solução reveladora muito concentrada.

Possíveis causas de diminuição da densidade radiográfica (radiografias muito claras):

Subrevelação em decorrência de:

Pouco tempo na solução reveladora; Solução reveladora muito fria; Solução reveladora com exaustão; Revelador contaminado com fixador.

Filme

Está na dependência do fabricante e seu poder de resolução depende do tamanho dos cristais halogenados de prata. Devem ser observados dois fatores:

Tamanho da granulação; Dupla emulsão.

A finalidade do uso de filmes com cristais maiores é a diminuição do tempo de exposição do paciente. O uso da dupla emulsão torna o filme mais sensível e também reduz o tempo de exposição do paciente. Deve-se tomar muito cuidado, porém, com a superexposição (aumenta a densidade radiográfica).

Grades antidifusoras

As grades antidifusoras são utilizadas para diminuir a quantidade de radiações secundárias que atingem o filme. Elas consistem de uma série de lâminas de chumbo separadas por material de baixa densidade física. Seu uso requer um aumento do mAs para que a densidade seja mantida constante.

Ecrans

Ecrans muito sensíveis ou rápidos requerem menos mAs para causar uma alteração de densidade na radiografia.

Fog ou Véu

O fog ou véu é causado pela radiação secundária e representa um escurecimento (aumento de densidade indesejável) da radiografia. Aumenta a densidade e reduz o contraste de uma radiografia, podendo prejudicar a realização do diagnóstico.

Contraste

• Contraste da radiografia – corresponde às diferenças de densidade entre as diversas partes da radiografia. Refere-se aos diferentes tons de preto, branco e cinza visualizados em uma radiografia.

Todos os fatores que influenciam a densidade também têm efeito sobre o contraste, com exceção da miliamperagem e da distância foco/filme.

Quilovoltagem

É o principal fator que controla o contraste radiográfico. Quando aumenta-se o

KV, produz-se uma imagem com mais tons de cinza, ou seja, com escala de cinza longa. Por outro lado, a diferença entre os tons de preto e os tons de branco é menor, sendo, portanto, menor o contraste. Observe o resumo abaixo:

Alto KV – pouco contraste – escala de cinza longa Baixo KV – alto contraste – escala de cinza curta Quando a quilovoltagem é alta, a penetração dos fótons de raios x nos tecidos é maior, o que resulta em uma menor diferença de densidade nas áreas adjacentes da imagem radiográfica (muitos tons de cinza ou escala de cinza longa). Por outro lado, quando a quilovoltagem é baixa, o poder de penetração dos fótons de raios x é pequeno, o que faz com que áreas adjacentes na radiografia tenham uma grande diferença de densidade

(algumas áreas muito escuras e outras muito claras, com poucos tons de cinza), originando uma escala de cinza curta.

Ao se alterar o contraste de uma radiografia, altera-se também sua densidade, pois não se pode esquecer que a quilovoltagem também influencia a densidade. Quanto maior o KV, mais rápido os elétrons atingirão o alvo e, portanto, mais fótons de raios x serão formados. Desta forma, a densidade radiográfica aumentará.

O contraste, por outro lado, não é influenciado pela miliamperagem. Se o mA é aumentado, deve-se diminuir o KV para que a mesma densidade seja mantida (mas o contraste aumentará). Contudo, a densidade pode ser alterada sem que o contraste seja mudado. Como isto pode ser feito? Sabe-se que o principal fator que controla a densidade é o mAs, embora este não tenha influências sobre o contraste. Portanto, uma alteração do mAs alterará a densidade de uma radiografia, sem influenciar seu contraste.

Exemplo: Se duas radiografias de uma mesma região são obtidas com mAs diferentes, uma será escura (alto mAs) e a outra clara (baixo mAs). O contraste permanecerá o mesmo, uma vez que foi alterado o grau de escurecimento geral da radiografia (densidade) e não a diferença entre seus tons de preto e branco (contraste).

Fog ou Véu

O fog ou véu é causado pela radiação secundária e representa um escurecimento (aumento de densidade indesejável) da radiografia. Aumenta a densidade e reduz o contraste de uma radiografia, podendo prejudicar a realização do diagnóstico.

Possíveis causas de um contraste radiográfico inadequado:

Erros no processamento: subrevelação (imagem muito clara), superrevelação (imagem muito escura), contaminação do revelador com o fixador, solução fixadora com exaustão – BAIXO CONTRASTE

Velamento em decorrência de condições de estocagem insatisfatória, filmes uados depois de expirada a data de validade, chassis defeituosos que permitem a entrada de luz, falhas na câmara escura e processamento – BAIXO CONTRASTE

Resolução

A resolução é a habilidade de se distinguir objetos. Uma imagem com alta resolução permite a diferenciação de objetos extremamente pequenos. A resolução geralmente é medida ou descrita em pares de linha por centímetro (ou milímetro). Um par de linhas por centímetro geralmente representa uma linha radiopaca e uma linha radiolúcida adjacente.

Detalhe Quando nos referimos à resolução, comumente utilizamos o termo detalhe.

(Parte 1 de 2)

Comentários