Engenharia Civil - Construção - Apontamentos Teóricos de Materiais de Construção I

Engenharia Civil - Construção - Apontamentos Teóricos de Materiais de Construção I

(Parte 1 de 8)

Apontamentos teóricos de Materiais de construção I

Elaborado por: Ana Sofia Cruz, nº 13156

Docentes:

Teórica - Fernando Henriques Prática - Fernando Pinho m m θ t

10cm 1

Pilar – Elemento vertical, esbelto e resistente.

Viga – Elemento horizontal, esbelto que apoia em cima dos pilares.

Laje – Elemento horizontal de grande dimensão e fina espessura.

Sapata – Alargamento da base do pilar, trata-se de um elemento de fundação que serve para distribuir as cargas da base do pilar horizontalmente.

Estacas – Usam-se quando o terreno tem má qualidade, tratando-se de um elemento que serve para distribuir as cargas verticalmente.

Ensoleiramento geral – Usa-se quando também quando o terreno não é de boa qualidade, servindo para distribuir as cargas sobre toda a base do edifício.

- armado – com armaduras de aço
pré-esforçado – também com armaduras de aço, as quais
+ estão constantemente a exercer esforço sobre a peça.

Betão – Ligante constituído por cimento e vários inertes (areia – inerte fino -, brita – inerte grosso). Há vários tipos de betão: simples – não tem armadura susceptib i lidade às ac ções c l im á t ic as

Normalmente usa-se betão armado, mas grosso modo, quando o vão é maior do que 10m usa-se betão pré-esforçado.

← pré-esforço que aumenta a resistência da

viga

Vão – Distância entre apoios.

Cofragem – Molde para fazer vigas (muito caras)

Fase dos toscos – Trata-se da fase em que se faz a estrutura e se abrem os rossos para as canalizações. É nesta fase que se vê a construção crescer (normalmente 1 piso por cada semana ou 15 dias), consumindo-se 10 a 15% do custo da obra.

Fase dos limpos – É nesta fase que se fazem os acabamentos, sendo pois mais extensa e mais cara do que a fase dos toscos.

Inertes – Elementos que não reagem (agregados), servem para fazer betão e argamassas.

Argamassa – Serve para fazer rebocos, sendo constituídas por 2ou mais ligantes (cimento e cais) e inerte fino.

Alvenaria – Trata-se da parede, pode ser constituída por tijolos ou painéis pré-fabricados.

Num corpo existem e tipos de volume:

volume de vazios interiores, v3

Assim, volume exterior, V, será v1+v3 e volume de vazios, v, refere-se apenas a v3.

Baridade – Massa por unidade de volume total ocupado

Massa volúmica (aparente) – Massa por unidade de volume exterior

V m volumicaMassa=.

Ensaio para determinação da massa volúmica e de massa específica (método da pesagem hidrostática):

mvolúmicamassa−=
massa saturada  massa em imersão
msat = m + V água que penetrou nos porosm im = m - I
= m + m vazios I = V – v (impulsão)

imsat m

volume real

Massa especifica (ou massa volúmica real) – massa por unidade de v-V mespecífica Massa=

→ dadas as definições tem-se a relação: baridade < massa volúmica < massa específica

Porosidade, P – Relação entre volume de vazios de um corpo e o seu volume total. V vp=

→ quando maior é o volume de vazios de um corpo maior é a sua porosidade → ↑ porosidade ⇒ ↑sensibilidade à degradação, pois o material absorve + água, absorvendo também tudo aquilo que nela sem encontra dissolvido

Densidade absoluta, D – Relação entre massa de um corpo e a massa de um volume de água a 4ºC, igual ao volume do corpo sem vazios.

v-V mD=

Densidade aparente, d – relação entre a massa de um corpo e a massa de igual volume de água a 4ºC. V md=

Compacidade, C – Relação entre densidade aparente e densidade

absoluta. P1V v1V

→ quanto menor é o volume de vazios de um corpo maior é a sua compacidade → a densidade aparente é proporcional à compacidade ⇒ a resistência mecânica é função crescente da densidade aparente → compacidade e porosidade têm valores complementares

Aré o poloestireno expandido, cujo nome comercial é
esferovite.

→ um exemplo de um material de porosidade fechada

→ Quando mais poroso um material é menor a sua resistência mecânica e vice-versa.

→ Quanto maior a compacidade maior a resistência mecânica e vice-versa. → O betão é um pécimo isolante térmico pois tem muita água.

→ O esferovite é um óptimo isolante térmico, pois tem muitos poros.

Capilaridade – ascensão de água contrariando a acção da gravidade (ver propriedade físicas das pedras). → quanto mais finos são os poros maior é a capilaridade.

Porometria – dimensão dos poros.

→ O ligante das juntas tem que ter uma grande porometria, de modo a absorver o mínimo de água possível.

→ As paredes têm que ser permeáveis ao vapor de água, pois só assim conseguem secar após uma chuvada.

Anisotropia – é a propriedade contrária à isotropia, significa pois que o material tem propriedades diferentes consoante a direcção que estamos a analisar.

Calor específico – quantidade de calor que é necessário fornecer a um corpo para elevar 1ºC a temperatura de uma sua unidade de massa.

Condutibilidade térmica – característica específica dos materiais homogéneos. Traduz a capacidade do material se deixar atravessar por calor.

→ O betão aguenta muita compressão e pouco tracção, pelo que se colocam varões de aço na zona que o betão está à tracção, de modo a complementar a acção do betão.

(Parte 1 de 8)

Comentários