(Parte 1 de 5)

PROFa. Juliana Santiago Teixeira

ÍNDICE2
1. O COMPUTADOR: HARDWARE/SOFTWARE3
1.1. HARDWARE3
1.1.1. Introdução3
1.1.2. Representação das Informações3
1.1.3. Componentes do Hardware4
1.2. SOFTWARE7
1.2.1. Introdução7
1.2.2. Linguagens de Programação7
1.2.3. Categorias de Software8
2. SISTEMAS DE NUMERAÇÃO9
2.1. INTRODUÇÃO9
2.2. O SISTEMA BINÁRIO DE NUMERAÇÃO9
2.3. O SISTEMA HEXADECIMAL DE NUMERAÇÃO10
3. DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS1
3.1. FASES PARA A SOLUÇÃO DE UM PROBLEMA:1
3.2. ALGORITMOS1
3.2.1. Definição de Algoritmos1
3.2.2. Por que precisamos de algoritmos?12
3.2.3. Característica13
4. PORTUGOL14
4.1. ESTRUTURA SEQÜENCIAL14
4.2. CONSTANTES14
4.3. VARIÁVEIS14
4.3.1. Identificadores15
4.3.2. Tipos de dados15
4.3.3. Declaração de variáveis16
4.3.4. Declaração de constantes16
4.4. OPERAÇÕES BÁSICAS16
4.4.1. Operadores aritméticos17
4.4.2. Operadores relacionais18
4.4.3. Operadores relacionais18
4.4.3. Funções19
4.4.5. Prioridade de operadores19
4.5. COMANDOS DE ENTRADA E SAÍDA20
4.5.1. Comando de entrada de dados20
4.5.2. Comando de saída de dados21
4.6. COMANDO DE ATRIBUIÇÃO2
4.7. ESTRUTURA CONDICIONAL2
4.7.1. Alternativa Simples23
4.7.2. Alternativa Composta23
4.8. ESTRUTURA DE REPETIÇÃO24
4.9. REGRAS PRÁTICAS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS LEGÍVEIS24

1. O Computador: Hardware/Software

1.1. Hardware

O computador eletrônico é um recurso formado por duas partes: uma porção física e uma porção lógica.

O nome técnico que se dá à porção física do computador é hardware e a sua porção lógica é software.

(física)(lógica)

1.1.2. Representação das Informações

Toda informação introduzida em um computador precisa ser entendida pela máquina.

O computador digital trabalha com lógica binária. Nesta lógica existem dois estados: circuito ligado ou desligado, passando ou não corrente elétrica, etc.

A menor unidade de informação armazenável em um computador é o algarismo binário ou dígito binário, conhecido como bit (binary digit). O bit pode ter, então, somente dois valores: 0 e 1. O menor grupo ordenado de bits representando uma informação útil e inteligível para o ser humano é o caractere.

Outro termo bastante comum da área de informática é o byte. Byte é um conjunto de bits, usualmente oito bits. O byte, normalmente representa uma posição no computador e seu conteúdo pode caracterizar um algarismo, uma letra, um código, um símbolo, etc. Essa unidade (byte) é utilizada extensamente como unidade-padrão de medida das mais variadas capacidades em se tratando de computadores. Em termos de escala, existem os múltiplos do byte, e os mais utilizados são os seguintes:

Kilobyte (KB)1024 B……... 210B
Gigabyte (GB)1024 MB…… 230B
Terabyte (TB)……. 1024 GB…240B

Além o bit e do byte, há um outro conceito, relacionado à forma com que os dados binários serão acessados e processados. Trata-se do conceito palavra. Se tomarmos um computador de oito bits para analisar, veremos que se trata de um equipamento cujo tamanho da palavra é de oitos bits. Isso significa que os dados binários são acessados e processados em conjuntos ou grupos de oito.

1.1.3. Componentes do Hardware

O hardware é composto de três grandes partes: CPU, memória e periféricos. Essas partes são os componentes físicos do computador.

Unidade Central de Processamento

A UCP (Unidade Central de Processamento) pode ser vista como o componente mais importante do hardware. É na UCP que se encontra o processador central do equipamento.

O processador central de um equipamento é a “peça” que comanda todas as suas funções, controla todos os seus componentes, permite acesso de outros equipamentos, realiza as tarefas de lógica e aritmética. O processador central é composto dos seguintes elementos:

• Unidade de Controle: responsável pela verificação e pelo controle das instruções realizadas pela UCP;

• Unidade de Lógica e Aritmética: responsável pela realização das operações aritméticas e lógicas;

• Registrador de Dados: armazena temporariamente os operandos referentes à instrução que está sendo realizada pela UCP;

• Registrador de Instruções: armazena temporariamente a instrução que está sendo realizada pela UCP;

• Via de Dados (BUS): permite a conexão da UCP com as demais partes do computador.

Memórias

Conceitualmente, a memória é um componente muito simples: é um “depósito” onde são guardados certos elementos para serem usados quando desejado.

A memória de um computador possui diferentes variedades: • de velocidade;

• de capacidade de armazenamento;

• de tecnologia de construção;

• de utilidade dentro do sistema.

Para o correto e eficaz funcionamento da manipulação das informações, verifica-se a necessidade de se ter em um mesmo computador diferentes tipos de memória.

Periféricos

Os periféricos são um conjunto de elementos “acessórios” ao fluxo de processamento de dados.

Periféricos de Entrada

• Teclado: permite entrada de códigos, caracteres numéricos e alfanuméricos na memória do computador.

• Mouse: permite a integração visual entre o usuário e o equipamento; é representado por uma peça que possui uma esfera giratória na parte inferior que, quando em contato com uma superfície plana, reproduz o efeito no monitor de vídeo do equipamento.

• Scanner: permite a digitalização de uma imagem pré-impressa; quando utilizado em conjunto com programas específicos chamados OCR (Optical Caracter Recognition), praticamente vem dispensar o trabalho de digitação de materiais já impressos.

• Light Pen (Caneta Óptica): permite “apontar” com uma espécie de “caneta” o monitor de vídeo de um computador e assim realizar escolhas de opções predefinidas.

• Leitores de Códigos de Barras: são dispositivos cujas características são estabelecidas com o propósito de atender às necessidades de leitura de códigos de barras.

• Joystick: é atualmente rotulado como um periférico apenas para diversão.

Periféricos de Saída

• Monitor de Vídeo: permite visualizar as etapas do processamento de dados, desde a entrada dos dados até a saída das informações.

• Impressora: a função desse periférico é perpetuar as informações obtidas pelo processamento por meio da impressão em folhas.

• Plotter: conhecido também como traçador gráfico, é um periférico cujo objetivo se assemelha ao da impressora, porém é de uso mais específico: destina-se à confecção de trabalhos gráficos.

1.2. Software

Praticamente de nada adianta a existência apenas do hardware. O hardware tem de ser encarado com um potencial de recursos a serem extraídos na medida das necessidades de seu usuário. Para que seja possível usufruir desse potencial é necessária a parte lógica do computador: o software.

O software é a parte lógica que dota o equipamento físico de capacidade para realizar todo tipo de trabalho. Por trás do software estão as linguagens de programação, que são regras básicas que permitem a melhor integração e buscam o ótimo relacionamento entre o software, o hardware e também o peopleware.

1.2.2. Linguagens de Programação

Linguagem de Máquina • É a linguagem de programação mais próxima da máquina.

• O computador consegue “entender” somente essa linguagem.

• Essa linguagem é a única que consegue enviar instruções ao processados.

Linguagem de Baixo Nível

• É a linguagem de programação ainda bem próxima da máquina, porém com alguns artifícios que a torna mais acessível ao usuário.

(Parte 1 de 5)

Comentários